Vale-Cultura para videogames

Política

Em março deste ano, o Museu de Arte Moderna de Nova Iorque, o MoMA, terá sua primeira exposição sobre videogames. Farão parte da mostra 14 jogos adquiridos pelo museu, produzidos entre 1980 e 2009. Neste mês de fevereiro, a ministra da Cultura Marta Suplicy se mostrava alheia às discussões geradas pela decisão do museu norte-americano. Enquanto a repercussão gira em torno da legitimação do videogame como arte, a ministra afirma: “eu não acho que jogos digitais sejam cultura”. A declaração foi feita em audiência pública na última terça-feira 19 em São Paulo.

No evento, a ministra dizia que, a princípio, o Vale-Cultura não poderia ser usado para a compra de jogos digitais. Promessa de campanha de Dilma Rousseff, o programa dará 50 reais, 45 desses bancados pelo governo, para o trabalhador gastar naquilo que a ministra acredita ser cultura. Para os críticos, o benefício é uma forma de o governo se abster  em criar uma diretriz cultural e financiar quem não precisa de mais apoio estatal, como os espetáculos do Cirque du Soleil, filmes do Daniel Filho e musicais de Miguel Falabella.

 

“O que nós temos acesso não credencia o jogo como cultura. (…) Pode desenvolver raciocínio, pode deixar a criança quieta, pode trazer lazer para o adulto, mas cultura não é,” disse a ministra.

A ministra, portanto, entende como cultura revista de fofoca, mas não videogames. Em carta ao ministério, o presidente da Abragames (Associação Brasileira dos Desenvolvedores de Jogos Digitais), Ale McHaddo, disse que a discussão sobre os jogos eletrônicos no campo artístico é antiga, mas não vê precedentes na fala da ministra. “Confesso que jamais havia ouvido um comentário questionando se jogos eletrônicos são cultura,” escreveu Ale.

Sob uma perspectiva econômica, o faturamento dessa indústria já supera a do cinema em diversos países, como a Inglaterra. Além disso, as inovações da última década permitiram a alguns desenvolvedores questionarem a linguagem dos jogos e testar seus limites. São jogos autorais, vendidos a preços módicos por desenvolvedores independentes, em contraposição aos preços estratosféricos cobrados pelos grandes produtores.

 

Duas ideias, mesmo ministério. Na mesma semana em que a ministra mostrava o que achava dos jogos digitais, o ministério deu um sinal oposto para os produtores de videogame. Em uma decisão inédita, os desenvolvedores do estúdio gaúcho Swordtales foram autorizados a captar 370 mil reais pela Lei Rouanet para a pós-produção do jogo Toren.

Em seu favor, Marta se disse aberta ao diálogo e pediu para que levassem exemplos ao ministério. Com os inúmeros casos que possam ser apresentados, espera-se que a ministra possa perceber nos jogos algum valor cultural. A própria Marta Suplicy já falou que o Vale-Cultura pode ser usado para comprar até “revista porcaria”. Que deixe, então, os trabalhadores comprarem videogames porcaria se bem entenderem.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Post Tags
Compartilhar postagem