Política

Valdemar Costa Neto é condenado a quase 8 anos de prisão

Deputado deve cumprir sentença em regime semi-aberto. STF definiu penas de outros quatro réus

Apoie Siga-nos no

O deputado federal Valdemar Costa Neto (ex-PL e atual PR) foi condenado nesta segunda-feira 26 a 7 anos e 10 meses de prisão, além de multa de 1,08 milhão de reais, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), no julgamento do “mensalão”. A pena, que engloba corrupção passiva e lavagem de dinheiro, deve ser cumprida inicialmente em regime semi-aberto por ser inferior a oito anos. Os ministros também definiram a dosimetria das sentenças de José Borba (ex-PMDB), Bispo Rodrigues (ex-PP), Romeu Queiroz (PTB) e Pedro Henry (PP).

Pelo crime de corrupção passiva, Costa Neto, ex-presidente do extinto PL e líder da legenda na Câmara à época dos fatos, recebeu 2 anos e 6 meses e 190 dias-multa como punição por ter negociado a venda do apoio político de sua legenda. “O acusado tinha como objetivo capitalizar o partido por ele presidido, alugar a legenda para se beneficiar de modo permanente de vantagens financeiras”, disse Joaquim Barbosa, relator do caso e presidente do Supremo.

O deputado e o PL receberam, segundo a denúncia, cerca de 10 milhões de reais do esquema de compra de votos. Ele utilizou a corretora Guaranhuns em 41 operações de lavagem de dinheiro, pelas quais foi condenado a 5 anos e 4 meses de reclusão.

Nos dois casos, a pena adotada pelos ministros foi a do revisor Ricardo Lewandowski. Elas eram mais brandas que as de Barbosa porque o magistrado e a maioria de seu colegas entenderam que o crime ocorreu antes de uma mudança que tornou a legislação mais dura.

Os ministros também condenaram José Borba a 2 anos e 6 meses de prisão por corrupção passiva. . Borba também pagará cerca de 360 mil reais em multa.

O Bispo Rodrigues, ex-coordenador da bancada evangélica na Câmara e vice-presidente nacional do PL na época, teve a sentença definida em 6 anos e 3 meses mais 290 dias multa, ou 696 mil reais, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele recebeu 150 mil reais do esquema a título de propina e deve cumprir a pena em regime semi-aberto. “O réu tinha um cargo importante de deputado, um mandato outorgado a poucas pessoas e que supõe seus uso com honradez, o que não ocorreu”, apontou Lewandoswki.

Ele foi condenado a 3 anos e 150 dias multa por corrupção e 3 anos e 3 meses, além de 140 dias-multa, por lavagem.

Queiroz recebeu pena de 6 anos e 6 meses, além de 792 mil reais em multa, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro (2 anos e 6 meses pelo primeiro crime e 4 anos pelo segundo).

Pedro Henry foi condenado a sete anos e dois meses de prisão, além de multa que supera R$ 900 mil em valores não atualizados, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A maioria dos magistrados aderiu aos votos de contraponto da ministra Rosa Weber, sempre mais brandos que os do relator, Joaquim Barbosa, nas penas de prisão.

Com informações da Agência Brasil

O deputado federal Valdemar Costa Neto (ex-PL e atual PR) foi condenado nesta segunda-feira 26 a 7 anos e 10 meses de prisão, além de multa de 1,08 milhão de reais, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), no julgamento do “mensalão”. A pena, que engloba corrupção passiva e lavagem de dinheiro, deve ser cumprida inicialmente em regime semi-aberto por ser inferior a oito anos. Os ministros também definiram a dosimetria das sentenças de José Borba (ex-PMDB), Bispo Rodrigues (ex-PP), Romeu Queiroz (PTB) e Pedro Henry (PP).

Pelo crime de corrupção passiva, Costa Neto, ex-presidente do extinto PL e líder da legenda na Câmara à época dos fatos, recebeu 2 anos e 6 meses e 190 dias-multa como punição por ter negociado a venda do apoio político de sua legenda. “O acusado tinha como objetivo capitalizar o partido por ele presidido, alugar a legenda para se beneficiar de modo permanente de vantagens financeiras”, disse Joaquim Barbosa, relator do caso e presidente do Supremo.

O deputado e o PL receberam, segundo a denúncia, cerca de 10 milhões de reais do esquema de compra de votos. Ele utilizou a corretora Guaranhuns em 41 operações de lavagem de dinheiro, pelas quais foi condenado a 5 anos e 4 meses de reclusão.

Nos dois casos, a pena adotada pelos ministros foi a do revisor Ricardo Lewandowski. Elas eram mais brandas que as de Barbosa porque o magistrado e a maioria de seu colegas entenderam que o crime ocorreu antes de uma mudança que tornou a legislação mais dura.

Os ministros também condenaram José Borba a 2 anos e 6 meses de prisão por corrupção passiva. . Borba também pagará cerca de 360 mil reais em multa.

O Bispo Rodrigues, ex-coordenador da bancada evangélica na Câmara e vice-presidente nacional do PL na época, teve a sentença definida em 6 anos e 3 meses mais 290 dias multa, ou 696 mil reais, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele recebeu 150 mil reais do esquema a título de propina e deve cumprir a pena em regime semi-aberto. “O réu tinha um cargo importante de deputado, um mandato outorgado a poucas pessoas e que supõe seus uso com honradez, o que não ocorreu”, apontou Lewandoswki.

Ele foi condenado a 3 anos e 150 dias multa por corrupção e 3 anos e 3 meses, além de 140 dias-multa, por lavagem.

Queiroz recebeu pena de 6 anos e 6 meses, além de 792 mil reais em multa, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro (2 anos e 6 meses pelo primeiro crime e 4 anos pelo segundo).

Pedro Henry foi condenado a sete anos e dois meses de prisão, além de multa que supera R$ 900 mil em valores não atualizados, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A maioria dos magistrados aderiu aos votos de contraponto da ministra Rosa Weber, sempre mais brandos que os do relator, Joaquim Barbosa, nas penas de prisão.

Com informações da Agência Brasil

CartaCapital

CartaCapital Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.