“Uma ruptura entre Moro e Bolsonaro não convém a nenhum dos dois”

Para o cientista político Edward Lynch, conflito cortaria elo entre Bolsonaro e a Lava Jato, e obrigaria o juiz a ser candidato em 2022

Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Política

O cientista político Edward Lynch, professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, chama de Revolução Judiciarista o movimento que ganhou corpo a partir do avanço da Lava Jato e a derrubada de Dilma Rousseff. Segundo ele, a operação foi o mais perfeito fruto de um ‘tenentismo togado’ que deu os primeiros passos ainda na República Velha, mas só se espraiou a partir dos anos 90, com a popularização das faculdades de Direito e da valorização das carreiras judiciárias.

Aos olhos de uma população frustrada, a turma da Lava Jato ficou encarregada de levar adiante a “renovação” ansiada pelas ruas em 2013. Na mesma medida em que cassavam políticos profissionais, os juízes e promotores se tornavam eles próprios atores políticos.

Aquele movimento, porém, foi desbaratado pela a ascensão de Michel Temer. E vive seu declínio definitivo desde a união com o bolsonarismo e os recentes diálogos vazados pelo The Intercept. “As revelações da Vaza Jato criaram um cenário antijudiciarista ainda mais forte, que pode levar à dissolução do epicentro curitibano”, avalia.

Não quer dizer que haja campo favorável para uma volta por cima da esquerda. Já que o espectro político hoje esmagadoramente é conservador, Lynch defende um aceno mais firme ao centro. “Tudo que Bolsonaro quer é que a esquerda se comporte como ele a pinta.”

Em entrevista a CartaCapital, ele analisa o futuro da relação entre Moro e Bolsonaro e os planos do presidente.

CartaCapital: Em que momento estamos da Revolução Judiciarista? 

Edward Lynch: A Revolução Judiciarista acabou em 2017, desarmada pelo Temer. Ela dependia da chancela da PGR e da maioria do STF em torno das medidas adotadas pela Lava Jato, com suas mudanças de doutrina e jurisprudência, e certas heterodoxias, destinadas a por atrás das grades a classe política da Nova República entre 2002-2016, e cujo núcleo central era o consórcio PT-PMDB. A nomeação da Dodge, o revés da absolvição da chapa Dilma-Temer, o fracasso da tentativa de Janot derrubar Temer com o escândalo da JBS, a resistência do Senado em permitir a prisão de Renan; e depois, a divisão do STF, graças às ações de Gilmar e Toffoli contra a Lava Jato, levaram ao declínio da “revolução”. O establishment reagiu e neutralizou a Lava Jato pelo alto. Agora o que se vê é ao seu fim definitivo, com a confluência entre lavajatismo e bolsonarismo desde janeiro. As revelações da Vaza Jato criaram um cenário antijudiciarista ainda mais forte, que pode levar à dissolução do epicentro curitibano já desbaratado com a saída de Moro, e que pode ser seguido pela saída do Dallagnol.

CC: E qual o possível impacto para o futuro de Moro no governo?

EL: É importante frisar a relação puramente oportunista entre Bolsonaro e Moro. Bolsonaro não tem nenhum compromisso com luta contra a corrupção, quer apenas explorar a associação entre corrupção e esquerda estabelecida nos últimos anos. Ele pretende aparelhar a administração, controlando o PGR e a Receita, para impedir que o escândalo chegue nele, nos filhos e seus aliados (o “partido familiar”). Já Moro não tem DNA bolsonarista, mas aderiu ao governo pagando pedágio para ir para o STF. Muito se tem falado de uma possível ruptura entre os dois. Mas eu acho que a ruptura não serve a nenhum deles. Romper com Moro rompe o elo simbólico de Bolsonaro com a Lava Jato, e obriga o Moro a ser candidato em 2022. Acho mais provável que o Bolsonaro aguente o Moro, desidratando-o, até mandá-lo para o STF. É a melhor maneira de neutralizá-lo como concorrente e é o que o Moro quer.

“Se a esquerda recuperar o fôlego e não houver alternativa sólida para a direita moderada, o MBL volta correndo para Bolsonaro”

CC: Você diz que o grande objetivo do Bolsonaro é se tornar um ‘Lula da direita’. Acha que esse propósito se repete na relação dele com o PSL?

EL: Repare que ser um Lula da direita significa ser o que ele acha que o Lula é no campo da esquerda. Não o que o Lula efetivamente foi. A diferença é que o PT levou anos para se consolidar e se enraizar, ao passo que o PSL, como o próprio Bolsonaro, ainda não sedimentaram. Bolsonaro está ocupado em se estabelecer no triplo da velocidade que o PT levou. Daí a violência que ele tem exercido para aparelhar o Estado, desrespeitando a independência das instituições e da burocracia, ignorando regras de nomeações e a independência funcional.

Assim como acha que o Lula é o dono do PT, Bolsonaro acha que tem que ser o dono do PSL. Que deve o partido ser ideológico como o PT, com o sinal trocado. Bolsonaro tem jogado o jogo que ele conhece, que é obrigar o partido à submissão sem esperar contrapartida nem tolerar críticas. O Frota foi expulso para dar o exemplo. Então acho que a relação dele com o PSL não é de pura instrumentalidade ou fisiologia. É para criar um partido subordinado à sua autoridade pessoal.

“Acho mais provável que o Bolsonaro aguente o Moro, desidratando-o, até mandá-lo ao STF. É a melhor maneira de neutralizá-lo é o que o Moro quer”

Foto: Carolina Antunes/PR

CC: O MBL já fez mea culpa pelo clima de polarização que tomou conta do país. Seria esse um sinal de esgotamento do discurso antipolítica?

EL: Diante do desbaratamento completo da esquerda, paralisada enquanto Lula não sair da prisão, a nova direita liberal perde o medo dos antigos adversários e começa a se incomodar com os excessos antiliberais dos novos aliados. Esse é o motivo da tal mea culpa do MBL, que parece preferir aderir à alguém conservador que não rompa com o liberalismo político, como o Dória. Mas a continuidade desse estranhamento em relação ao bolsonarismo depende da fraqueza da esquerda e da habilidade do Dória, ou do Novo, ou quem se puser na situação de representar o campo ideológico da direita liberal. Se a esquerda recuperar o fôlego e não houver alternativa sólida para que esse lugar ideológico dure de modo autônomo, o MBL volta correndo pro colo do Bolsonaro. Deixe só o Lula sair da prisão para ver…

CC: Acha que ainda há tempo de uma reação do campo progressista? Como a esquerda e o centro deveriam se articular?

EL: Não sei. Depende da esquerda parar de brigar entre si, lamber as feridas dos conflitos recentes. Mas depende também de uma articulação com a centro-esquerda e de um ensaio de moderação, já que o espectro político hoje dominante é conservador. Se o PT, partido hegemônico da esquerda, ficar atrelado exclusivamente a uma pauta de libertação de Lula, ou à liderança de gente que faz o elogio da ditadura venezuelana, a derrota é certa. É tudo o que o bolsonarismo quer: que a esquerda se comporte como ele a pinta, que é uma versão de esquerda do seu próprio radicalismo antiliberal. Daí porque movimentos rumo ao centro, como este recentemente feito pelo Freixo, só podem ser bem vindo.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editora-executiva do site de CartaCapital

Compartilhar postagem