Política

Trabalho

Temer sanciona a lei da terceirização irrestrita

por Redação — publicado 01/04/2017 08h55, última modificação 01/04/2017 09h51
Texto foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União, em meio a novos protestos contra reformas do governo
Alan Santos/PR
Temer

Michel Temer em evento no Planalto, no dia 23. Lei sancionada exclui salvaguardas ao trabalhador

O presidente Michel Temer sancionou na noite desta sexta-feira 31 o projeto que libera a terceirização irrestrita da mão-de-obra, aprovado pela Câmara dos Deputados na semana passada.

A lei foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União, em meio a uma nova onda de protestos contra o peemedebista, e já está valendo. Com isso, qualquer atividade de uma empresa poderá ser desempenhada por um trabalhador terceirizado.

Antes, o entendimento firmado pela Justiça era de que a terceirização só era permitida para a chamada atividade-meio, não podendo atingir a atividade-fim de uma empresa.

O texto aprovado contém vetos parciais a três pontos da proposta. Um deles previa a possibilidade de prorrogação do prazo de 270 dias de contratos temporários por meio de acordo ou convenção coletiva.

Outros dois parágrafos foram vetados porque dispunham de direitos trabalhistas já garantidos pela Constituição, diz o governo. Um deles determinava o registro na carteira de trabalho da condição de temporário. O outro assegurava ao temporário direitos equivalentes aos garantidos aos funcionários que desempenham a mesma função na empresa.

O prazo final para a sanção do projeto era 14 de abril. Com a antecipação, o governo Temer deixou de fazer uma Medida Provisória que incluiria salvaguardas aos trabalhadores afetados pela terceirização. O Planalto afirmou que ajustes na lei serão feitos por meio da reforma trabalhista, proposta que deve ir a votação no próximo mês. 

A celeridade imposta ao tema também teve o objetivo de blindar o governo de novas pressões. Na terça-feira 18, o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros, comandou um movimento na bancada do partido contra o projeto aprovado na Câmara.

Com apoio de outros oito senadores da legenda, Calheiros divulgou uma carta na qual pedia que a proposta não fosse sancionada por Temer. O documento afirma que a terceirização “precariza as relações de trabalho, derruba a arrecadação, revoga conquistas da Consolidação das Leis do Trabalho e piora a perspectiva de aprovação da Reforma da Previdência”.

Protesto
Milhares foram às ruas de São Paulo na sexta-feira 31, contra a terceirização e a reforma da Previdência
registrado em: ,