…

Temer recua e autoriza mudar cinco itens da reforma da Previdência

Política

A crescente resistência de parlamentares ao draconiano projeto de reforma da Previdência obriga o governo de Michel Temer a recuar. Após o jornal Estado de S. Paulo divulgar um levantamento que mostra a rejeição de 251 deputados à proposta, oposição suficiente para barrar a mudança nas regras das aposentadorias, Temer autorizou o relator da matéria, Arthur Maia (PPS-BA), a fazer modificações no projeto original preparado pela equipe econômica de Henrique Meirelles, ministro da Fazenda.

Em entrevista à rádio Bandeirantes, o peemedebista disse que autorizou Maia a fazer acordos com as bancadas federais para que seja mantida a idade mínima de 65 aos pretendida pelo governo.

Nesta quinta-feira 6, Maia afirmou que cinco pontos da proposta sofrerão alterações: a aposentadoria de trabalhadores rurais, os benefícios de prestação continuada (BPC), as pensões, a aposentadoria de professores e policiais e as regras de transição para o novo regime previdenciário. Maia não informou quais mudanças serão feitas. Segundo o parlamentar, elas dependerão de negociações na Câmara.

Alvo de acaloradas críticas, as regras de transição previstas por Temer devem ser flexibilizadas. Ao fixar a idade mínima em 65 anos, a proposta original tirava do novo regime homens e mulheres com mais de 50 e 45 anos, respectivamente. A população nessa faixa etária teria de trabalhar 50% a mais do tempo restante que teriam para se aposentar, o chamado “pedágio”. Nesta quinta-feira 6, Maia sugeriu que poderia reduzir a idade de transição para 40 anos.

Em relação ao BPC, o texto original desvinculava o benefício do valor do salário mínimo. Atualmente, o benefício corresponde a um quarto da menor remuneração permitida pela legislação, o equivalente hoje a 220 reais. O governo pretendia estipular um valor nominal, em vez de um percentual do mínimo.

Sobre as pensões, o projeto inicial de Temer previa a desvinculação do benefício do mínimo e uma mudança na fórmula de cálculo, de forma a aplicar um sistema de cotas. O valor pago à viúva ou viúvo seria de 50% da aposentadoria do ente morto, com um adicional de 10% para cada dependente, desde que o valor não ultrapasse 100%. De acordo com a proposta, também não seria possível acumular o benefício com outra aposentadoria ou pensão.

Outra mudança prevista relaciona-se ao regime especial para a aposentadoria de policias e professores, que atualmente podem se aposentar mais cedo. No projeto da equipe de Temer, as regras diferenciadas para ambas as categorias seriam suprimidas. 

O acesso à aposentadoria rural também pode ser flexibilizado. De acordo com a proposta original, os trabalhadores que atuam em atividades relacionadas à agropecuária estariam submetidos à regra geral e só poderiam se aposentar aos 65 anos. Hoje, para ter acesso ao benefício de um salário mínimo, basta o agricultor comprovar que trabalhou por 15 anos, mesmo sem ter contribuído para a seguridade.

A idade mínima para pleitear a aposentadoria é de 55 anos para as mulheres e 65 anos para os homens. Diante do elevado grau de informalidade e da sazonalidade das ofertas de emprego na zona rural, os lavradores teriam enorme dificuldade de contribuir por 25 anos para gozar da aposentadoria.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem