Política

Tatto e PT resistem à pressão por apoio a Boulos em São Paulo

Artistas, intelectuais e alguns petistas defendem aliança com o PSOL; aliados do candidato descartam a possibilidade

GUILHERME BOULOS. FOTO: PERFIL OFICIAL NO FACEBOOK
GUILHERME BOULOS. FOTO: PERFIL OFICIAL NO FACEBOOK

Apesar da pressão para apoiar a candidatura de Guilherme Boulos (PSOL), é improvável que Jilmar Tatto (PT) peça a seus eleitores para votar 50, e não 13.

Ontem, a presidente Gleisi Hoffmann se reuniu Tatto e Luiz Marinho, dirigente paulista do partido para avaliar a possibilidade.

“Foi uma sondagem, não passou disso”, disse reservadamente a CartaCapital um interlocutor. Outro petista avalia que, se a intenção fosse mesmo pressioná-los, mais dirigentes nacionais teriam participado do encontro. “Lula quando quer alguma coisa liga, não manda recado.”

Na terça 10, artistas e intelectuais divulgaram um manifesto em favor do apoio da esquerda a Boulos em São Paulo e a Benedita no Rio de Janeiro. Petistas da alta cúpula, especialmente no Rio, também defendem a ideia.

Apesar do desempenho modesto nas pesquisas — 6%, segundo o Ibope, aliados de Tatto avaliam que ainda há chances de chegar aos dois dígitos, o que o colocaria entre os postulantes ao segundo turno.

Além disso, os números mostram que a transferência de votos para o PSOL não é automática — parte considerável dos eleitores de Tatto votariam em Russomanno ou Bruno Covas.

“Esse pessoal escolheu um caminho equivocado de militância. Eles deveriam ir atrás dos indecisos. Não podemos deixá-los para o Covas e o Russomanno”, critica o deputado estadual José Américo Dias.

O tucano, aliás, tem crescido com consistência acima da margem de erro, e tem boas chances de faturar a disputa ainda em primeiro turno.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!