Educação

Tarcísio anuncia 60 mil vagas em programa de jovem aprendiz, mas efetiva 291 contratações

O programa prevê contratar estudantes para jornadas de até 6 horas, quatro vezes na semana

O governador Tarcísio de Freitas. Foto: Mônica Andrade/Governo do Estado de SP
Apoie Siga-nos no

O programa Jovem Aprendiz Paulista, lançado pelo governador Tarcísio de Freitas (Republicanos), prometeu mediar a contratação de 60 mil estudantes por empresas, mas o número até o momento chega apenas a 291.

Os dados foram divulgados nesta segunda-feira 10 pelo UOL, com base em informações da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de São Paulo.

A iniciativa prevê a contratação de estudantes da rede estadual por empresas próximas de suas casas. Os alunos a partir de 14 anos trabalhariam em jornadas de até 6 horas diárias, quatro vezes na semana. Eles também teriam uma aula online semanal de 4 horas.

Ao anunciar o programa, em abril do ano passado, Tarcísio declarou que esperava ter 100 mil contratados em pouco tempo. Em agosto, o programa, inicialmente direcionado a jovens de até 18 anos, passou a contemplar pessoas de até 24 anos.

Houve 57 contratações entre março e maio. Em fevereiro, havia 1.751 empresas e 22.089 estudantes cadastrados no programa. A Secretaria de Desenvolvimento Econômico não informou o número atualizado de empreendimentos e alunos registrados.

Em nota, o governo informou que o programa “passa por reformulação” para ampliar a adesão e que tem realizado “oficinas regionais e ampla divulgação” da iniciativa a fim de aumentar o número de vagas disponibilizadas por empregadores.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo