CartaExpressa,Política

Suspeito de pedir propina seria demitido em 2020, mas pressão política o segurou

Suspeito de pedir propina seria demitido em 2020, mas pressão política o segurou

(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

O ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias seria demitido da pasta pelo então ministro Eduardo Pazuello em outubro de 2020, mas permaneceu no cargo após um movimento de pressão política.

A informação, revelada pela rádio CBN nesta quinta-feira 1, se refere à situação de Dias após a publicação de uma reportagem que colocava sob suspeita um contrato para a compra de 10 milhões de kits para testagem de Covid-19.

A suspeita no contrato de 133 milhões de reais foi, à época, apresentada pelo Tribunal de Contas da União. Um relatório produzido pela Secretaria de Controle Externo da Saúde do TCU apontou “diversas alterações na especificação do objeto a ser contratado” ao longo do processo de compra.

Segundo a reportagem, quem intercedeu pela permanência de Roberto Dias no cargo foi o então presidente do senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que teria conversado diretamente com o presidente Jair Bolsonaro.

Dias acabou sendo exonerado na quarta-feira 30, após um suposto esquema de pedido de propina para a compra de vacinas.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem