STF quebra sigilo do DEM e de Agripino Maia

Política

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, ordenou a quebra do sigilo bancário do diretório nacional do Democratas entre janeiro de 2012 e dezembro de 2014 e dos sigilos telefônicos do presidente do partido, José Agripino Maia, do ex-presidente da OAS Léo Pinheiro e do primo do senador, Raimundo Maia.

Um inquérito no STF apura o envolvimento de Agripino Maia, um entusiasta frequentador de manifestações a favor do impeachment de Dilma Rousseff, no pagamento de propina na construção da Arena das Dunas, em Natal. O estádio foi erguido para a Copa do Mundo de 2014 pela OAS.

Suspeita-se que o senador demista tenha recebido propina da OAS em troca de auxílio político na superação de entraves à liberação de recursos de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social para a construção. A licitação para a obra foi ganha pela OAS durante a gestão de Rosalba Ciarlini, do mesmo partido de Agripino Maia.

O procurador-geral Rodrigo Janot havia se manifestado sobre o caso. Segundo ele, as investigações “apontam para a efetiva solicitação e recebimento, pelo investigado, de forma oculta e disfarçada, de vantagens pecuniárias indevidas, oriundas de sua intervenção para solucionar entraves referentes a controles externos sofridos pela construção da denominada Arena Dunas, pelo grupo empresarial OAS”.

O senador negou qualquer crime, mas afirmou estar pronto a colaborar. Disse esperar que a investigação seja “completa” e feita com a “rapidez devida”.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem