Política

STF vai decidir sobre participação no “mensalão”, diz Teori Zavascki no Senado

Futuro ministro do Supremo afirma que sua eventual atuação no caso não provocaria o adiamento do processo

Teori Zavascki durante a sabatina no Senado, nesta terça-feira 25. Foto: Agência Senado
Teori Zavascki durante a sabatina no Senado, nesta terça-feira 25. Foto: Agência Senado

O juiz Teori Zavascki, indicado pela presidenta Dilma Rousseff para ocupar a vaga de Cezar Peluso no Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta terça-feira 25, em sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, que não cabe a ele decidir se participará ou não do julgamento do chamado “mensalão”. Zavascki deixou claro, entretanto, que sua eventual participação no caso não deve adiar o término do julgamento.

No início da sessão da CCJ, a oposição tentou adiar a sabatina, com o objetivo de evitar a criação de um “fato novo” no julgamento. O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) apresentou um requerimento pelo adiamento, mas ele foi rejeitado por 14 votos a 6. A sabatina, então, prosseguiu e Zavascki foi bombardeado com questões a respeito do “mensalão” e temas ligados ao processo, como a aplicação da teoria do domínio do fato, que pode implicar na condenação de réus mesmo sem provas factuais contra eles. Os senadores Álvaro Dias (PSDB-PR) e Pedro Taques (PDT-MT) questionaram Zavascki diretamente sobre sua participação no caso.

O futuro ministro afirmou que, em princípio, o regimento interno do STF determina que um magistrado só deve participar do julgamento caso tenha ouvido a leitura do relatório sobre ele. A exceção se daria quando o ministro “se der por habilitado” para votar sobre o caso. Diante disso, afirmou Zavascki, seria “uma contradição” ele assumir a vaga no STF, participar do julgamento do “mensalão” e pedir vistas do processo, adiando a análise do caso. Nos últimos dias, ventilou-se a possibilidade de Zavascki fazer isso, algo que a oposição teme. Para a oposição, é interessante que o julgamento prossiga e continue coincidindo com o período mais sensível das eleições municipais.

Zavascki se disse interessado em esclarecer a situação para que “não paire qualquer dúvida a respeito dos motivos que levaram” a sua escolha e afirmou que sua participação não depende apenas dele. De acordo com Zavascki, em temas de Direito Penal, cabe ao órgão colegiado, no caso o STF, decidir se o novo magistrado deve ou não participar do caso. O futuro ministro afirmou ainda que isso poderia ocorrer no caso de um empate por cinco votos a cinco no julgamento. Neste caso, afirmou o ministro, o empate já seria benéfico aos réus e um eventual voto seu a favor dos réus não mudaria o veredito. Assim, sua participação no “mensalão” não ocorreria para beneficiar os réus, como temia parte da oposição.

Por conta da possibilidade de participar do caso, Zavascki se recusou a comentar detalhes do julgamento, citando a Lei Orgânica dos Magistrados, que impede a categoria de se manifestar sobre casos em andamento. Caso fizesse isso, disse Zavascki, ele ficaria impedido de atuar no caso.

A sessão da CCJ foi suspensa por conta do início da ordem do dia no Senado. O senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), presidente da CCJ, informou que reconvocará os senadores “oportunamente”.

O juiz Teori Zavascki, indicado pela presidenta Dilma Rousseff para ocupar a vaga de Cezar Peluso no Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta terça-feira 25, em sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, que não cabe a ele decidir se participará ou não do julgamento do chamado “mensalão”. Zavascki deixou claro, entretanto, que sua eventual participação no caso não deve adiar o término do julgamento.

No início da sessão da CCJ, a oposição tentou adiar a sabatina, com o objetivo de evitar a criação de um “fato novo” no julgamento. O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) apresentou um requerimento pelo adiamento, mas ele foi rejeitado por 14 votos a 6. A sabatina, então, prosseguiu e Zavascki foi bombardeado com questões a respeito do “mensalão” e temas ligados ao processo, como a aplicação da teoria do domínio do fato, que pode implicar na condenação de réus mesmo sem provas factuais contra eles. Os senadores Álvaro Dias (PSDB-PR) e Pedro Taques (PDT-MT) questionaram Zavascki diretamente sobre sua participação no caso.

O futuro ministro afirmou que, em princípio, o regimento interno do STF determina que um magistrado só deve participar do julgamento caso tenha ouvido a leitura do relatório sobre ele. A exceção se daria quando o ministro “se der por habilitado” para votar sobre o caso. Diante disso, afirmou Zavascki, seria “uma contradição” ele assumir a vaga no STF, participar do julgamento do “mensalão” e pedir vistas do processo, adiando a análise do caso. Nos últimos dias, ventilou-se a possibilidade de Zavascki fazer isso, algo que a oposição teme. Para a oposição, é interessante que o julgamento prossiga e continue coincidindo com o período mais sensível das eleições municipais.

Zavascki se disse interessado em esclarecer a situação para que “não paire qualquer dúvida a respeito dos motivos que levaram” a sua escolha e afirmou que sua participação não depende apenas dele. De acordo com Zavascki, em temas de Direito Penal, cabe ao órgão colegiado, no caso o STF, decidir se o novo magistrado deve ou não participar do caso. O futuro ministro afirmou ainda que isso poderia ocorrer no caso de um empate por cinco votos a cinco no julgamento. Neste caso, afirmou o ministro, o empate já seria benéfico aos réus e um eventual voto seu a favor dos réus não mudaria o veredito. Assim, sua participação no “mensalão” não ocorreria para beneficiar os réus, como temia parte da oposição.

Por conta da possibilidade de participar do caso, Zavascki se recusou a comentar detalhes do julgamento, citando a Lei Orgânica dos Magistrados, que impede a categoria de se manifestar sobre casos em andamento. Caso fizesse isso, disse Zavascki, ele ficaria impedido de atuar no caso.

A sessão da CCJ foi suspensa por conta do início da ordem do dia no Senado. O senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), presidente da CCJ, informou que reconvocará os senadores “oportunamente”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!