“Sou capitão do Exército, ele é pacifista”, diz Bolsonaro sobre Gandhi

Presidente brasileiro destacou sua diferença com o líder indiano, mas disse apreciar pregação de 'paz, harmonia e liberdade'

O presidente Jair Bolsonaro, em cerimônia de oferenda floral no Memorial Mahatma Gandhi. Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro, em cerimônia de oferenda floral no Memorial Mahatma Gandhi. Foto: Alan Santos/PR

Política

O presidente Jair Bolsonaro participou de uma cerimônia em homenagem ao líder indiano Mahatma Gandhi, neste sábado 25, durante viagem à Índia. Bolsonaro está no país como convidado de honra do primeiro-ministro Narendra Modi para o Dia da República, celebrado no domingo 26.

Em seu primeiro dia de agenda oficial, o presidente brasileiro presenciou uma cerimônia de oferenda floral no Memorial Mahatma Gandhi, na capital Nova Délhi. Em entrevista à imprensa, Bolsonaro disse que aprecia o legado do líder.

“Eu sou um capitão do Exército, ele é um pacifista. Mas, obviamente, a gente reconhece o seu passado, sempre pregando a paz, a harmonia e a liberdade”, afirmou.

 

Bolsonaro ganhou um busto de Gandhi e disse que a cerimônia “toca a alma da gente”. O memorial marca o local da cremação do líder, em 31 de janeiro de 1948, após ser assassinado com tiros de arma de fogo pelo hinduísta Nathuram Godse.

Mohandas Karamchand Gandhi, conhecido por Mahatma, que significa “grande alma”, nasceu em 1869. Ele encabeçou a resistência contra o domínio da Inglaterra, em um movimento iniciado em 1885.

Considerado o “pai da nação”, pregava a resistência e a luta por meio da não-violência e da desobediência civil, como o boicote aos produtos britânicos e a recusa ao pagamento de impostos.

Após a homenagem ao líder, Bolsonaro reuniu-se com o primeiro-ministro indiano e anunciou 15 acordos com o país. A agenda presidencial na Índia deve se encerrar na segunda-feira 27.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem