Soltura de Lula repercute entre jornais e líderes internacionais

Ex-presidente foi solto após STF adotar posição contrária à prisão em 2ª instância

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Foto: Reprodução/PT

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Foto: Reprodução/PT

Política

A soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), nesta sexta-feira 8, teve ampla repercussão na imprensa internacional. O petista foi liberado após pedido do juiz Danilo Pereira Júnior, da 12ª Vara Federal de Curitiba, com base na decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) adotada na quinta-feira 7, que permite prisão-pena somente após o trânsito em julgado.

Na América do Sul, o jornal argentino Clarín destacou, em sua página inicial na internet, a manchete “Lula da Silva foi liberado após 580 dias preso por corrupção”. O jornal publicou que “o líder histórico da esquerda saiu sorridente da sede da Polícia Federal e foi rodeado de uma multidão de partidários que o aclamava”.

A libertação de Lula também foi destaque nas emissoras televisivas NTN 24 e TVN, no Chile. A CNN chilena dedicou maior parte de sua página inicial aos protestos no país, mas noticiou logo abaixo: “Lula da Silva sai da prisão após autorização da justiça brasileira”.

A emissora venezuelana Telesur destacou em sua manchete uma declaração dada após saída da penitenciária: “Lula da Silva sai em liberdade após 580 dias de prisão: não encarceraram um homem, e sim, uma ideia”. O site do veículo divulgou foto da filha de Lula, Lurian da Silva, que comemora em Curitiba (PR) a soltura do petista.

A libertação de Lula também foi destaque na Europa, como no britânico The Guardian (“Ex-presidente do Brasil Lula sai da prisão após decisão da Suprema Corte”), no espanhol El País, “Ex-presidente do Brasil Lula da Silva sai da prisão após ordem de juiz”) e no francês Le Monde (“Ex-presidente brasileiro Lula é libertado da prisão após mais de um ano e meio preso”).

O americano The News York Times publicou, em sua editoria “Mundo”, uma foto em que o petista segura uma bandeira com os dizeres “Lula é inocente”. O jornal destacou que a soltura de Lula pode acirrar a polarização com o presidente Jair Bolsonaro (PSL), pois será um “rival de esquerda” às políticas de extrema-direita do Palácio do Planalto.

A emissora russa Russia Today deu destaque em sua página inicial para declaração de Lula: “Não pensei que hoje poderia estar aqui falando”, com chamada para um vídeo. A iraniana HispanTV divulgou foto de Lula com os petistas Fernando Haddad e Gleisi Hoffmann, com trecho do discurso do ex-presidente, em que critica o ministro da Justiça, Sergio Moro.

Líderes internacionais se pronunciam

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, foi um dos primeiros a se pronunciar após a soltura de Lula. “É uma notícia para o coração do povo”, disse Maduro, em discurso no Palácio de Miraflores. O chefe de Estado venezuelano lembrou que Lula, junto com o ex-presidente Hugo Chávez e o argentino Nestor Kirchner, foram os “propulsores da integração na América Latina”.

O presidente eleito na Argentina, Alberto Fernández, publicou em sua conta no Twitter que se comove com “a força de Lula para enfrentar a perseguição de um processo judicial arbitrário ao qual foi submetido”. Sua vice, Cristina Kirchner, comemorou nas redes sociais e escreveu que Lula é vítima de uma das “maiores aberrações do lawfare na América Latina”.

Bernie Sanders, senador e candidato a presidente dos Estados Unidos, também saudou Lula na internet. “Como presidente, Lula fez mais do que ninguém para diminuir a pobreza no Brasil e defender os trabalhadores. Estou encantado por ele ter sido libertado da prisão, algo que nunca deveria ter acontecido em primeiro lugar”, escreveu.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Post Tags
Compartilhar postagem