Política

Servidores da Anvisa repudiam ameaças contra profissionais que aprovaram a vacina para crianças

Em live na quinta-feira 16, o presidente Jair Bolsonaro havia dito que os pais ‘têm direito de saber’ quem esteve envolvido nas análises

O presidente Jair Bolsonaro, ao lado do deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO). Foto: Reprodução
O presidente Jair Bolsonaro, ao lado do deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO). Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

A Associação de Servidores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária publicou uma nota de repúdio contra a intenção do governo federal em divulgar o nome de quem aprovou a aplicação da vacina da Pfizer em crianças a partir de cinco anos.

No texto, a organização chamou a medida de “método abertamente fascista” com possíveis “resultados trágicos”.

A Anvisa havia anunciado a liberação na quinta-feira 16. O presidente da Agência, Antônio Barra Torres, chegou a mencionar casos de ameaças de violência por parte de movimentos antivacina contra membros da instituição.

Horas depois, o presidente Jair Bolsonaro, que sempre pôs as vacinas sob dúvidas, disse em live na internet que os pais teriam “o direito de saber” a identidade de cada profissional envolvido na aprovação pela Anvisa.

Em nota nesta sexta-feira 17, a Univisa, que representa os trabalhadores da Anvisa, disse que a possibilidade de divulgação desses nomes pelo governo “não traz consigo qualquer interesse republicano”.

A Associação disse entender o ato como “ameaça de retaliação”.

“Não encontrando meios institucionais para fazê-lo, vale-se da incitação ao cidadão, método abertamente fascista e cujos resultados podem ser trágicos e violentos, colocando em risco a vida e a integridade física de servidores da Agência”, manifestou-se a Univisa.

A organização declarou ainda que a atitude “demonstra desprezo pelos princípios constitucionais da Administração Pública, pelas decisões técnicas da Agência e pela vida dos seus servidores”.

A Univisa disse reconhecer o “trabalho técnico” do corpo de servidores que participaram das análises da vacina e ressaltou a atuação de especialistas das entidades sanitárias Associação Brasileira de Saúde Coletiva, Abrasco; Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, SBPT; Sociedade Brasileira de Infectologia, SBI; Sociedade Brasileira de Imunologia, SBI; e Sociedade Brasileira de Pediatria, SBP.

A Associação também confirmou o que Barra Torres disse sobre o recebimento de ameaças após os rumores de que a Anvisa aprovaria a vacina para as crianças. A instituição declarou que essas ações têm como pano de fundo “um discurso negacionista e anticientífico”, o que chamou de “extremamente incompatível com o regime democrático” e que “deveria inspirar a máxima atenção das autoridades competentes”.

Victor Ohana

Victor Ohana
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.