Política

Justiça

Sérgio Moro condena José Dirceu pela segunda vez na Lava Jato

por Redação* — publicado 08/03/2017 15h39, última modificação 08/03/2017 19h19
Após impor 20 anos de prisão ao ex-ministro, o juiz volta a condená-lo por corrupção e lavagem de dinheiro e fixa nova pena de 11 anos
Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil
Dirceu

Dirceu teria recebido 2,1 milhão de reais em propina em contratos da Apolo Tubulars com a Petrobras

O juiz Sérgio Moro condenou pela segunda vez o ex-ministro José Dirceu na Operação Lava Jato, desta vez a 11 anos e três meses de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Dirceu foi condenado por Moro por ter recebido 2,1 milhão de reais em propina proveniente de contratos da empresa Apolo Tubulars com a Petrobras, por intermédio de Renato Duque, diretor de Serviços da petroleira estatal à época dos crimes.

Em maio de 2016, Moro condenou Dirceu a 23 anos e três meses de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa por sua participação em um esquema de propinas da empreiteira Engevix, integrante do cartel de empresas que fatiava obras na Petrobrás. Em junho passado, o magistrado reformulou a dosimetria da pena e determinou 20 anos e 10 meses de detenção.

Segundo a sentença proferida por Moro, 1,4 milhão de reais foi pago por meio de serviços de táxi aéreo, mediante o custeio de despesas pela utilização, por Dirceu, de duas aeronaves pertencentes ao lobista Julio Camargo, que assinou acordo de delação premiada com a Justiça e assumiu ser o intermediário entre os sócios da Apolo e Renato Duque.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o ex-ministro realizou 113 voos nas aeronaves entre novembro de 2010 e julho de 2011. Dirceu assumiu as viagens, mas disse que foram realizadas a título de cortesia.

“Em que pese o teor dos depoimentos de ambos, José Dirceu e Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, simplesmente não é crível que alguém disponibilize a título gratuito voos em seus jatos executivos, cujos valores são notoriamente exorbitantes, a um terceiro, de forma despretensiosa”, escreveu Moro na decisão de hoje (8).

Ao todo, segundo o MPF, foram repassados R$ 7,4 milhões pela Apolo Tubulars em propina. Além do desviado por Dirceu, o restante foi direcionado para o PT, diz a denúncia. Em troca, Duque garantiu um contrato de R$ 255 milhões entre a empresa e a Petrobras, que com aditivos chegou ao valor de mais de R$ 450 milhões.

De acordo com a denúncia, o restante da propina foi pago por intermédio de uma empresa do lobista Júlio Camargo, chamada Piemonte, através de notas fiscais frias.

Na mesma sentença, Moro condenou outras quatro pessoas, incluindo Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, irmão de José Dirceu, que deverá cumprir seis anos e oito meses de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Dois sócios da Apolo, Paulo Cesar Peixoto de Castro Palhares e Carlos Eduardo de Sá Baptista, foram absolvidos.

O advogado de Dirceu, Roberto Podval, criticou a condenação. "Hoje não se julga mais os fatos e sim o nome de quem aparece na capa do processo. Estão matando o Zé Dirceu. E mais fácil matá-lo que admitir sua inocência. Espero com a teimosia dos burros que nossos juízes voltem a julgar se guiando pela constituição e não pela opinião pública."

*Com informações da Agência Brasil