Economia

Senado aprova reajustes salariais para PF, PRF e Polícia Penal

Proposta cumpre os acordos firmados entre o governo federal e as categorias em dezembro e janeiro

Operação Yoasi. Foto: Reprodução / Polícia Federal
Apoie Siga-nos no

O Senado aprovou, nesta quarta-feira 29, um projeto de lei que prevê reajustar os salários de carreiras da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Penal Federal.

O texto já havia passado pela Câmara dos Deputados e segue agora para sanção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A proposta cumpre os acordos firmados entre o governo federal e as categorias em dezembro e janeiro deste ano.

O texto prevê reajustes, de forma gradual, em três parcelas, sendo a primeira paga até agosto. As duas seguintes estão previstas para os meses de maio de 2025 e 2026.

Agentes no topo da carreira na Polícia federal, que inclui delegados e peritos criminais, passarão a receber 41.350 reais, ante os 33.721 atuais.

Já na PRF, as categorias especiais receberão 23 mil reais até 2026. Entre os agentes penais federais, o reajuste chega a 60%, com o salário principal da categoria sendo 20 mil reais.

Segundo estudos do Ministério da Fazenda, o reajuste impactará o orçamento em cerca de 2,24 bilhões de reais.

O projeto ainda prevê a reestruturação do quadro de funcionários da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) e cria uma gratificação para servidores da Defesa Civil que atuem em atividades consideradas “críticas finalísticas”.

O texto cria a carreira de especialista em indigenismo e técnico em indigenismo, com salários de até 9.229,39 reais.

O projeto também equipara as carreiras da Agência Nacional de Mineração (ANM) com as demais agências reguladoras.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo