Diversidade

Senado aprova celas específicas para a população LGBT+ encarcerada

A proposta, do senador Fabiano Contarato (PT-ES), chega à Câmara dos Deputados

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES). Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O Senado aprovou nesta quarta-feira 22, por 62 votos a 2, um projeto de lei complementar que cria mecanismos de proteção à população LGBTQIA+ encarcerada. A proposta, do senador Fabiano Contarato (PT-ES), determina a construção ou a adaptação de celas, alas ou galerias específicas para essa população.

O texto segue para a Câmara dos Deputados. Em caso de nova aprovação, caberá ao presidente Lula (PT) sancioná-lo ou vetá-lo.

O projeto altera a lei sobre o Fundo Penitenciário Nacional a fim de garantir áreas específicas para lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis, em quantidade apropriada e respeitada a autonomia de declaração de identidade de gênero. O objetivo é resolver a situação de violação generalizada de direitos que essa população enfrenta no cárcere.

“É uma medida que está em consonância com os princípios da dignidade da pessoa humana da Constituição Federal, mas também da Declaração Universal dos Direitos Humanos, da qual o Brasil é signatário”, disse Contarato.

Uma emenda apresentada pelo senador Weverton (PDT-MA) e aprovada com o projeto determina que as celas destinadas a essa parcela da população encarcerada tenham as mesmas condições de salubridade que as outras alas. A medida, segundo o pedetista, evita que os espaços sejam usados como forma de discriminação contra pessoas LGBTQIA+.

(Com informações da Agência Senado)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo