Política

assine e leia

Sem clima

A Assembleia-Geral da ONU, assim como a reunião do G-20, nada produziu de concreto em relação à agenda ambiental

Protestos. Ativistas tomaram as cercanias da sede da ONU em Nova York para pedir o fim dos subsídios aos combustíveis fósseis – Imagem: Spencer Platt/Getty Images/AFP
Apoie Siga-nos no

Diante dos atuais prognósticos do Painel Intergovernamental das Mudanças Climáticas, que apontam aumento médio da temperatura de 2,4ºC a 2,6ºC para este século, é previsível a reação da comunidade acadêmica e setores progressistas da sociedade em busca de ações mais efetivas por parte dos governos. O verão mais quente da história no Hemisfério Norte está perto do fim, com tragédias na Líbia, Grécia, Eslovênia, Sudão e Hong Kong. Até o Brasil sofreu com eventos climáticos extremos durante o inverno, vide as inundações no Rio Grande do Sul.

A Assembleia-Geral da ONU movimentou Nova York. No último domingo, 17 de setembro, dezenas de milhares de ativistas realizaram a Marcha pelo Fim dos Combustíveis Fósseis pelas ­ruas centrais da cidade e em frente à sede das Nações Unidas. Pedem a Joe Biden e outros líderes globais, inclusive Lula, a interrupção das perfurações de petróleo e gás. Um dos pontos de reivindicação das manifestações era fazer cessarem os 7 trilhões de dólares de subsídios globais governamentais para combustíveis fósseis. A ex-presidente da Irlanda Mary ­Robinson afirmou: “Estamos subsidiando o que nos está destruindo”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.