Secom se diz vítima de interpretações ‘fora de contexto’ após post com homem armado

A foto está disponível em bancos de imagens genéricas e pode ser comprada por R$ 45 a R$ 3 mil, a depender do tamanho e da resolução

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Política

A Secretaria Especial de Comunicação da Presidência da República justificou a retirada de publicação no Twitter em que celebrava o Dia do Agricultor, comemorado nesta segunda-feira 28, com uma foto de um homem armado com uma espingarda. “A imagem utilizada anteriormente, em referência à segurança no campo, deu margem a interpretações fora do contexto”, disse o órgão em nota, após sofrer críticas nas redes sociais por relativizar a gravidade da violência em áreas rurais.

 

 

A imagem está disponível em bancos de imagens genéricas e pode ser comprada por R$ 45 a R$ 3 mil a depender do tamanho e da resolução escolhida para download. A fotografia é identificada como “Silhueta de caçador carregando espingarda no ombro e observando”.

“Hoje homenageamos os agricultores brasileiros, trabalhadores que não pararam durante a crise da Covid-19 e garantiram a comida na mesa de milhões de pessoas no Brasil e ao redor do mundo”, diz o post. Ele já teve mais de 3 mil compartilhamentos, 1.600 curtidas e mais de 3 mil comentários”, dizia a Secom no texto deletado das redes.

Integrantes do governo, como a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), compartilharam homenagens aos trabalhadores rurais, mas sem menção a armas, como fez a Secom. “Quero cumprimentar todos vocês pelo trabalho que fazem, pelos alimentos que colocam à mesa dos brasileiros”, disse a chefe da pasta em vídeo publicado no Twitter. Já a parlamentar publicou foto que mostra a silhueta de um homem em um campo e escreveu: “Parabéns aos agricultores do nosso imenso Brasil, que levam diariamente toneladas de comida às casas de todo o mundo! Um setor fundamental para o crescimento econômico do nosso país! Parabéns Agricultor!”.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem