‘Se gritar pega Centrão, não fica um, meu irmão’: três anos depois, Heleno diz que o bloco não existe

'Isso foi muito modificado ao longo do tempo. E eu não tenho hoje essa opinião', declarou o general

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno. Foto: Marcos Corrêa/PR

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno. Foto: Marcos Corrêa/PR

Política

Antes crítico do Centrão, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, afirmou nesta quarta-feira 19 que o bloco informal de partidos de centro não existe mais.

Durante a campanha eleitoral de 2018, em uma convenção do PSL, Heleno chamou o Centrão de “materialização da impunidade” e fez uma paródia de um samba do cantor Bezerra da Silva, insinuando que os integrantes do bloco são ladrões. “Se gritar pega Centrão, não fica um, meu irmão”, cantou no evento.

 

 

De lá para cá, no entanto, a reunião de legendas como Progressistas, PL e Republicanos se transformou na base de apoio ao governo de Jair Bolsonaro no Congresso. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), líder do grupo, foi eleito com o apoio do Palácio do Planalto. Além disso, os parlamentares dessas legendas foram amplamente favorecidos pelo esquema revelado pelo Estadão do orçamento secreto, criado para favorecer políticos aliados do governo, apelidado de ‘tratoraço’.

Em audiência hoje na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara, Heleno, no entanto, chamou de “brincadeira” as declarações de 2018 e afirmou que o bloco não existe mais.

“Sobre Centrão, aquela brincadeira que eu fiz foi numa convenção do PSL na campanha eleitoral. Naquela época existia à disposição na mídia várias críticas ao Centrão. Não quer dizer que hoje exista Centrão. Isso foi muito modificado ao longo do tempo. E eu não tenho hoje essa opinião”, disse ele em resposta a um questionamento do deputado Kim Kataguiri (DEM-SP).

“E não reconheço hoje a existência desse Centrão. Então, naquela época… É uma situação de evolução de opinião. Faz parte da vida do ser humano. Inclusive vossa excelência (Kim Kataguiri) já mudou de posição várias vezes ao longo da sua trajetória política. Então, isso aí faz parte do show político”, afirmou o ministro.

O ministro foi convocado à comissão para prestar esclarecimentos sobre a disseminação de notícias falsas a respeito da pandemia pelo presidente da República. O requerimento da convocação era de autoria de Kataguiri. A convocação torna a presença do general obrigatória.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem