‘Se alguém fez teatro aí foi o Bolsonaro, eu não’, dispara Kajuru

O senador defendeu a abertura de duas CPIs, uma com foco na atuação do governo federal na pandemia e outra nos Estados e municípios

Fotos: Agência Senado / Palácio do Planalto

Fotos: Agência Senado / Palácio do Planalto

Política

Após defender, em telefonema gravado com o presidente Jair Bolsonaro, que a CPI da Covid inclua governadores e prefeitos, o senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) admitiu na segunda-feira 12 ao Estadão, que ampliar os trabalhos da comissão pode beneficiar o Palácio do Planalto. E disse que o ideal seria abrir duas CPIs distintas, uma com foco na atuação do governo federal na pandemia e outra nos Estados e municípios. “Para pensar as duas com 90 dias (de prazo para concluir os trabalhos) é complicado.”

 

 

 

Bolsonaro sabia que o conteúdo da conversa ia ser divulgado?

Eu liguei para ele às 12h40 (de domingo). A gravação foi colocada no ar às 13h. Falei assim: “Aquela conversa nossa vou colocar no ar daqui a pouco, 20 minutos”. Aí tudo bem, tchau. Se ele falasse para mim às 12h40: “Não, Kajuru, não coloca esse papo nosso no ar, não”. Claro que eu não ia colocar. Ia guardar. Caso amanhã ele falasse alguma coisa contrária, eu ia falar: “Não, presidente, desculpa, não foi o que o senhor falou, não, está aqui. O senhor sabe que eu gravo. Eu falei na tribuna do Senado”.

 

Algumas pessoas falaram que a gravação foi uma jogada ensaiada entre os senhores.

Isso é ridículo. Eu liguei para me defender. Você ouviu a conversa, que teatro que eu fiz? Primeiro que tem gente que não merece meu respeito. Tem gente que o que mais faz é teatro, que é o Supremo Tribunal Federal. Basta você ver os julgamentos, lá tem teatro. Se alguém fez teatro aí foi ele (Bolsonaro), eu não.

 

Além da CPI da Covid, o sr. assinou um pedido para uma nova comissão que inclua governadores e prefeitos. Elas devem ser juntadas?

Para apensar as duas com 90 dias de CPI é complicado. Isso aí cheira a beneficiar o governo. Como vai focar governador, prefeito e governo federal ao mesmo tempo, tudo junto? Se trabalhar de segunda a sexta, tudo bem. Se trabalhar uma vez por semana, não tem jeito. As duas juntas há o risco de o governo ser beneficiado. Sai do foco principal. O foco principal é o governo federal, e em segundo plano vêm governadores e prefeitos.

 

A CPI deve ser presencial?

Não, de forma alguma. Remota. São 11 titulares e sete membros. Uma CPI nunca vai todo mundo. Se quiser fazer presencial tem que limitar o número de presentes.

 

Bolsonaro pediu para o sr. tentar barrar a CPI?

Meu sigilo telefônico está a disposição da Justiça, vê se algum dia ele me ligou pedindo isso. Se eu avisei que eu gravo a conversa com todo mundo, você acha que ele teria coragem de ligar para mim para barrar CPI? Uma CPI que eu assinei?

 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem