Saiba quem é o novo ministro da Educação escolhido por Bolsonaro

Abraham Weintraub é economista e se tornou um dos principais articuladores da reforma da Previdência

Saiba quem é o novo ministro da Educação escolhido por Bolsonaro

Política

Como já havia anunciado na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro demitiu o ministro da educação, Ricardo Vélez. A confirmação veio nesta segunda-feira 8 pelo Twitter do presidente. Junto com o anúncio da demissão, Bolsonaro informou o novo titular da pasta: Abraham Weintraub.

Abraham é professor da Universidade Federal de São Paulo e, desde a eleição, auxilia Jair Bolsonaro como assessor especial. Ele foi um dos nomes indicados para o gabinete de transição e se tornou, junto com seu irmão, Arthur, um dos principais nomes da Casa Civil. Na secretaria executiva, Abraham era o substituto imediato de Onyx Lorenzoni, mas também responsável por endereçar questões relevantes para o governo, de cunho econômico ou de outras áreas.

Leia também:

A ponte de Weintraub com Bolsonaro foi feita pelo ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Os dois se conheceram em um seminário internacional sobre Previdência, realizado no Congresso em março de 2017. O paulistano de 48 anos é formado em economia pela USP e trabalhou durante 18 anos no Banco Votorantim, onde foi de office-boy a economista-chefe e diretor. Demitido, seguiu para a Quest Corretora e, logo depois, deixou a iniciativa privada para se dedicar à licenciatura.

Novo chefe do MEC tem relação estreita com o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni

Alguns especialistas da área da educação criticaram a nomeação de Weintraub para o comando da pasta. O argumento principal é o fato de o novo ministro não possuir experiência, nem especialidades, na área da educação e gestão pública. Alguns acreditam, pelo seu currículo, que Weintraub será pró mercado.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem