Deputada do PSL vira ‘alvo’ em post de Eduardo Bolsonaro; secretaria da Câmara reage

Os bolsonaristas se irritaram com o fato de Dayane Pimentel comparecer a uma manifestação contra o governo federal no domingo 12

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Política

A Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados divulgou, nesta segunda-feira 13, uma nota de repúdio a uma postagem de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) contra Dayane Pimentel (PSL-BA) nas redes sociais.

 

 

“Lamentamos a postura recorrente de Eduardo Bolsonaro por meio de atos de violência política de gênero em redes sociais, incompatíveis com o mandato parlamentar e por se constituírem em verdadeiro atentado à Constituição brasileira”, diz o texto da secretaria.

Na imagem publicada pelo filho de Jair Bolsonaro, Pimentel é chamada de “traidora” e seu rosto é marcado como um alvo. A deputada compartilhou a ilustração e rebateu Eduardo nas redes.

“Para vencer as eleições de 2018 eles diziam que iam combater bandidos, mas hoje eles querem combater mulheres comprometidas com o país. Na falta de ter do que me acusar (pois não tenho funcionários fantasmas nem sou adepta da corrupção e milícias) o que sobra é esbravejar o ódio em cima de mim”, escreveu. “Tomarei todas as medidas cabíveis dentro da lei”.

Os bolsonaristas se irritaram com o fato de Pimentel comparecer a uma manifestação contra o governo federal no último domingo 12. O ato defendia o impeachment de Jair Bolsonaro.

Na nota de repúdio à atitude de Eduardo, a Secretaria da Mulher da Câmara disse reforçar “sua posição em defesa dos avanços alcançados por meio de políticas públicas de proteção para as mulheres e afirma que não poupará esforços para combater quaisquer ações de violência, seja por palavras ou ações, de crimes de ódio e torpeza que busquem ofuscar os recentes anos de conquistas sociais alcançados pelas mulheres”.

Veja o post com a resposta de Dayane Pimentel:

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem