Rio: Paes e Crivella se enfrentarão no 2º turno

Martha Rocha e Benedita da Silva aparecem na sequência

Fotos: Reprodução/Twitter/Eduardo Paes - Reprodução/Twitter/Marcelo Crivella

Fotos: Reprodução/Twitter/Eduardo Paes - Reprodução/Twitter/Marcelo Crivella

Política

O segundo turno da eleição para a Prefeitura do Rio de Janeiro, no dia 29 de novembro, será disputado pelo ex-prefeito Eduardo Paes (DEM) e pelo atual prefeito e candidato à reeleição, Marcelo Crivella (Republicanos).

 

 

Com 95% das urnas apuradas, Paes lidera a disputa com 37% dos votos válidos (926.696), contra 21,86% de Crivella (547.407).

Em terceiro lugar, Martha Rocha aparece com 11,32% dos votos, enquanto Benedita da Silva (PT) tem 11,30%.

Após votar neste domingo, Paes criticou a gestão de Marcelo Crivella. “Hoje é o momento em que a população vem soberana para as urnas e decide quem vai ser o futuro prefeito da cidade. O que eu tenho repetido é isso: o Rio não pode mais arriscar. Infelizmente a cidade escolheu um prefeito que nos últimos anos destruiu a nossa cidade, então a gente precisa ir com muita consciência para as urnas”, disse o candidato do DEM. Ele ainda pediu que os eleitores não permitam que “pessoas despreparadas ou farsantes governem a cidade”.

Crivella, por sua vez, agradeceu a Jair Bolsonaro pelo apoio na eleição, mas disse que o presidente classificou Paes como um “bom gestor” por estar mal informado. “(Bolsonaro) chamou (Paes) de bom gestor porque não tinha informação”, disse o prefeito.  “O Eduardo Paes foi delatado pela Andrade (Gutierrez), OAS, Odebrecht e Carioca Engenharia. Todas as empresas das Olimpíadas disseram que fraudaram as licitações. Eu estou pagando esses R$ 7 bilhões que ele deixou para mim (sic) pagar porque houve superfaturamento, sobrepreço. O secretário do Eduardo pegou 76 anos de cadeia. Bom gestor é quem escolhe secretário que não é preso, que não rouba”, criticou Crivella.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem