Política

Reprovação a Bolsonaro no Nordeste volta a subir após ex-capitão chamar nordestinos de ‘pau de arara’

As respostas da pesquisa foram coletadas entre os dias 3 e 6 de fevereiro, dentro do intervalo de repercussão das ofensas proferidas pelo ex-capitão

Foto: Alan Santos/PR
Foto: Alan Santos/PR
Apoie Siga-nos no

A avaliação negativa do governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a crescer no Nordeste após declarações em que chamou moradores da região de ‘pau de arara’, na última quinta-feira 4. Ao todo, 61% dos nordestinos disseram não estar contentes com o trabalho realizado pelo ex-capitão e sua equipe. Os dados são da pesquisa Genial/Quaest divulgada nesta quarta-feira 9.

De acordo com o levantamento, o avanço da avaliação negativa de Bolsonaro na região foi de 5 pontos percentuais e alcançou de novo o pior patamar. As respostas foram coletadas entre os dias 3 e 6 de fevereiro.

Historicamente, o retrospecto de avaliação de Bolsonaro já é ruim na região, não por acaso, o ex-capitão intensificou a agenda em busca nos estados em busca de votos no reduto eleitoral de Lula. Na terça-feira 8, visitou três estados para inaugurar obras. Em Pernambuco, após criticar o lockdown e tentar minimizar as ofensas, chamou a região de ‘meu Nordeste’.

Nas demais regiões do País, Bolsonaro também mantém um patamar alto de reprovação. No Centro-Oeste, onde ele tem o melhor desempenho, a avaliação negativa ao seu governo é de 42%. Críticos ao presidente somam 47% no Norte, 49% no Sul e 47% no Sudeste.

Em termos gerais, o governo Bolsonaro é reprovado por 51% da população. A avaliação se manteve em 22% e a percepção neutra do atual governo ficou estável em 25%.

Novamente, a pesquisa revelou que o eleitorado feminino é o que mais rejeita o ex-capitão. Ao todo, 54% das mulheres avaliam o atual governo como negativo. O grupo cai para 48% entre os homens. Na ponta oposta do levantamento, que considera o mandato de Bolsonaro como positivo, o grupo soma 20% entre mulheres e sobe para 24% entre os homens.

Jovens e eleitores com faixa de renda menor que dois salários mínimos também registram alto percentual de reprovação, de acordo com a pesquisa desta quarta-feira. Na faixa etária entre 16 e 24 anos, Bolsonaro é reprovado por 56%. Entre os mais pobre, a avaliação negativa do ex-capitão é de 57%.

Vale ressaltar que o desempenho de Bolsonaro não melhora significativamente nos demais grupos sociais. Neste caso, a avaliação negativa de Bolsonaro varia entre 47% e 52%.

A pesquisa Genial/Quaest entrevistou 2 mil pessoas pessoalmente em todas as unidades da federação. A margem de erro do levantamento é de 2 pontos percentuais e o índice de confiança é de 95%.

A pesquisa também monitorou as intenções de voto para presidente e confirmou o favoritismo de Lula. Com 45% da preferência dos eleitores, o petista supera a soma de todos os adversários e pode vencer ainda no primeiro turno.

Getulio Xavier

Getulio Xavier
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.