Política

Reforma: deputados do centrão decidem vetar BPC e aposentadoria rural

O grupo, que soma hoje 234 deputados, diz ainda que não vai permitir a ‘desconstitucionalização generalizada’ da Previdência

Bolsonaro entre a PEC da Previdência ao presidente da Câmara: sem vida fácil no Congresso
Apoie Siga-nos no

Embora seja a favor da Reforma da Previdência, o chamado ‘centrão’ — formado por MDB, PP, Podemos, DEM, PSDB, PRB e outros cinco partidos — quer retalhar alguns pontos importantes da proposta do governo. O grupo anunciou nesta terça-feira 26 que não aceitará mudanças nos benefícios a idosos e deficientes pobres (o BPC) e nas regras de aposentadoria rural.

O líder da maioria, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP), leu nesta terça-feira no Plenário um manifesto das bancadas. Conforme o texto, o grupo não vai permitir a ‘desconstitucionalização generalizada’ da Previdência e defende que a reforma tenha como princípio a proteção aos mais pobres e vulneráveis. As bancadas somam hoje 234 parlamentares.

Leia também: Entenda como a reforma da Previdência aprofunda as desigualdades

Também nesta terça, a oposição — PDT, PT, PCdoB, PSB, PSOL e Rede — divulgou um manifesto contra a reforma. Juntos, esse partidos somam 133 deputados.

O centrão não anda nem um pouco satisfeito com a condução do executivo em prol da aprovação. Nos bastidores, líderes partidários estudam até resgatar a proposta de Michel Temer, sepultada no ano passado por inanição e escândalos sucessivos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo