Política

Quem é Tomás Miguel Ribeiro Paiva, escolhido por Lula para comandar o Exército

Recentemente, o militar fez um discurso em tom antigolpista, afirmando que o papel da Força é ‘ser uma instituição de Estado, apolítica e apartidária’

Créditos: Exército Brasileiro/ Divulgação
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) anunciou nesse sábado 21 que o novo comandante do Exército será o general Tomás Miguel Ribeiro Paiva que, recentemente, fez um discurso incisivo conclamando os militares a respeitarem o resultado das eleições.

Paiva fez um discurso em tom antigolpista na última quarta-feira 18, ainda como comandante militar do Sudeste. Na ocasião, o militar afirmou que o papel da Força é “ser uma instituição de Estado, apolítica e apartidária” e defender a democracia.

“Também é o regime do povo. Alternância de poder. É o voto, e quando a gente vota, tem que respeitar o resultado da urna. Não interessa. Tem que respeitar. É essa a convicção que a gente tem que ter, mesmo que a gente não goste”, afirmou, durante cerimônia em homenagem aos militares mortos no Haiti.

Tomás Miguel Ribeiro Paiva tem 62 anos e chefiava o Comando Militar do Sudeste desde 2021, ainda na gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Ele era o segundo na lista de generais que poderiam se tornar comandantes na gestão do ministro José Múcio Monteiro, da Defesa. Experiente, ele iniciou sua carreira militar em 1975.

Em 2019, chegou a assumir o posto de general de Exército, o mais alto da carreira militar. Na época, ele passou a integrar o Alto Comando do Exército, órgão colegiado onde são discutidos temas da Política Militar Terrestre e assuntos de interesse do comandante do Exército.

Paiva substituirá o comandante do Exército, Júlio Cesar de Arruda, que havia assumido interinamente o comando em 30 de dezembro, ainda no governo de Jair Bolsonaro (PL).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo