Política

PSOL quer Boulos em SP, pode apoiar Freixo no Rio e caminha para estar com Lula

Partido descarta fazer parte da federação que deve se formar entre PT, PSB, PV e PCdoB. Tendência é união com a Rede Sustentabilidade

O presidente do PSOL, Juliano Medeiros
Apoie Siga-nos no

O PSOL  decidiu manter a pré-candidatura de Guilherme Boulos ao governo de São Paulo, mesmo após o partido lançar um documento com 12 itens que vão ser discutidos com outras legendas que devem apoiar o ex-presidente Lula na eleição nacional.

Em São Paulo, a discussão sobre os nomes da esquerda que disputarão o cargo, além de Boulos, envolve o ex-governador Márcio França (PSB) e o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) . O acordo, no entanto, dependerá da formação da federação entre PT e PSB.

Em conversa com CartaCapital, a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, disse que o cenário ideal seria uma união do campo de esquerda em torno de um nome.

“O ideal é estar o PSOL junto nesse campo. Por isso, é importante saber como cada partido estará posicionado e qual o papel de cada liderança. A unidade em São Paulo vai ser importante para ter vitória, não só eleitoral, mas também política”, disse.

O presidente do PSOL, Juliano Medeiros, no entanto, reafirmou a posição do partido em lançar uma candidatura própria no estado. O dirigente partidário também descartou fazer parte da federação que deve sair da união entre PT, PSB, PV e PCdoB.

“A única federação em debate no PSOL é com a Rede Sustentabilidade, que já está avançada, mas há temas ainda a serem desatados”, revelou.

Já no Rio de Janeiro, onde Marcelo Freixo (PSB) deve ser o nome da esquerda para o Executivo estadual, há a possibilidade do PSOL não lançar candidato.

“A candidatura do Freixo é a que está a frente das pesquisas e é possível que [o PSOL] se caminhe para esse lugar”, disse a deputada Talíria Petrone. “O ideal é que todos estivessem no mesmo campo”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo