Política

PSOL pede investigação de Queiroga e Bia Kicis por vazamento de dados de médicos

Os médicos apresentaram argumentos em defesa da imunização das crianças, postura contrária à do presidente Jair Bolsonaro e seus apoiadores

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

A bancada do PSOL na Câmara dos Deputados protocolou representação no Ministério Público Federal pedindo investigação sobre o envolvimento do Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e da deputada federal Bia Kicis (PSL) no vazamento de dados dos médicos pró-vacina após audiência pública sobre a imunização de crianças contra a Covid-19.

Após o evento ser realizado no último dia 4 – sob críticas de diferentes especialistas -, dados como CPF, telefone e e-mail de três médicos – Isabella Ballalai, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações; Marco Aurélio Sáfadi, da Sociedade Brasileira de Pediatria; e Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações – foram compartilhados em grupos bolsonaristas, a partir de documentos do Ministério da Saúde.

Na audiência, os médicos apresentaram argumentos contundentes em defesa da imunização das crianças de cinco a onze anos – ‘uma postura contrária ao que o presidente Jair Bolsonaro e seus apoiadores vêm defendendo, dentre eles Bia Kicis’, dizem os deputados do PSOL na representação.

Nesse contexto, os parlamentares consideram que ‘há em curso um amplo e sistemático modelo de disseminação de fake news, vazamentos e ameaças, promovido pelo próprio Governo Bolsonaro, que impulsiona seus apoiadores à violência, trazendo graves consequências para a democracia, para a ciência e para a saúde da população brasileira’.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!