PSOL move ação no Ministério Público contra Crivella por livro LGBT

Vereadores Tarcísio Motta e Renato Cinco acusam prefeito do Rio de Janeiro de improbidade administrativa e violação à liberdade de expressão

Foto: Wikimedia Commons

Foto: Wikimedia Commons

Política

Os vereadores do PSOL no Rio de Janeiro, Tarcísio Motta e Renato Cinco, apresentaram uma ação ao Ministério Público estadual, nesta sexta-feira 6, contra o prefeito Marcelo Crivella (PRB), por improbidade administrativa, censura prévia e violação à liberdade de expressão e ao princípio da não discriminação.

Na representação, Motta e Cinco pedem a abertura de um inquérito civil contra o prefeito. As acusações ocorrem após Crivella ordenar, na quinta-feira 5, o recolhimento de exemplares um livro na Bienal do Rio de Janeiro. A obra apresenta uma história em quadrinhos que contém uma cena de beijo entre dois personagens do sexo masculino.

 

O prefeito divulgou um vídeo para justificar a proibição do livro.

“A prefeitura do Rio de Janeiro determinou que os organizadores da Bienal, lá no Riocentro, recolhessem esse livro que já foi denunciado na internet, que traz conteúdo sexual para menores. Livros assim precisam estar embalados em plástico preto, lacrado, e do lado de fora, avisando o conteúdo. Portanto, a prefeitura do Rio de Janeiro está protegendo os menores da nossa cidade”, afirmou Crivella.

Com 264 páginas, o livro “Vingadores: A cruzada das crianças” foi escrito pelo americano AllanDois e ilustrado pelo britânico Jim Cheung. A trama tem como personagens centrais o casal homossexual Wiccano e Hulkling, que aparece abraçado e divide a mesma cama em algumas páginas. A obra foi publicada nos Estados Unidos entre 2010 e 2012. Após o anúncio do prefeito, o livro se esgotou nas prateleiras da Bienal.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem