CartaExpressa

SP: Projeto municipal prevê cassação de mandato em caso de violência de gênero

A vereadora Juliana Cardoso (PT) propõe que episódios de machismo e assédio em plenário sejam considerados quebra de decoro parlamentar

Foto: Câmara Municipal de São Paulo
Apoie Siga-nos no

O País assistiu escandalizado as cenas de importunação sexual protagonizadas pelo deputado estadual afastado Fernando Cury (Cidadania) contra a deputada Isa Penna (PSOL). No Dia Internacional da Mulher, a vereadora de Vitória Camila Valadão (PSOL), sofreu um ataque machista devido à roupa que usava pelo parlamentar Gilvan da Federal (Patriota). Das 28 vereadoras trans eleitas em 2020, várias sofreram algum tipo de violência no exercício do mandato. Esses casos se somam a uma rotina de machismo e violência de gênero enfrentada diariamente dentro das casas legislativas.

Com base nisso, a vereadora Juliana Cardoso (PT), propõe que a violência política de gênero como prática seja considerada quebra de decoro parlamentar. O parlamentar enquadrado nesse tipo de “quebra de decoro” pode sofrer uma série de sanções que vão até a cassação do mandato.

O objetivo da proposta, de acordo com ela, é proteger as mulheres do machismo institucional e garantir o exercício parlamentar sem violência política. “Isso acontece porque o espaço institucional da política, reflete padrões de subordinação das mulheres, e sujeitos políticos não hegemônicos, presentes na sociedade”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar