Economia

Programa para baratear eletrodomésticos vira pauta de reunião entre Lula e Haddad

O presidente sugeriu a iniciativa ao vice Geraldo Alckmin

O presidente Lula e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que deve discutir com o presidente Lula nesta sexta-feira 14 a possibilidade de um programa voltado a estimular a compra de eletrodomésticos como geladeiras e televisões.

Na quarta 12, Lula disse ter sugerido ao vice-presidente Geraldo Alckmin, ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio, o retorno de uma ação para baratear o acesso a produtos de linha branca.

“Amanhã eu tenho despacho com ele e isso deve ser tema”, disse Haddad em entrevista à RedeTV. “Sempre tem que encontrar espaço (fiscal).”

Lula concedeu a declaração durante uma cerimônia em homenagem ao dia da Ciência e do Pesquisador, em Brasília.

“Até falei para o Alckmin: ‘que tal a gente fazer uma aberturazinha para a linha branca outra vez?’. Facilitar a compra de geladeira, de televisão, de máquina de lavar roupa. As pessoas, de quando em quando, precisam trocar os seus utensílios domésticos”, disse o petista. “Quando a geladeira velha está batendo, não está gelando a cerveja bem e está gastando muita energia, você tem que trocar. E se está caro, vamos baratear, tentar encontrar um jeito.”

O presidente se dirigiu na sequência à ministra do Planejamento e do Orçamento, Simone Tebet, e pediu que ela “abra a mão um pouquinho”. Questionada sobre o possível plano após o evento, a emedebista pediu “calma”.

Na cerimônia, Lula recomendou, porém, que os brasileiros consumam “de forma responsável” e reforçou que “ninguém pode gastar o que não tem”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.