Procurador confirma a jornal autenticidade das mensagens da Vaza Jato

Integrante dos grupos de Telegram atestou existência das mensagens críticas à Moro, reveladas na sexta 28

Procurador confirma a jornal autenticidade das mensagens da Vaza Jato

Política

Um procurador que estava nos grupos do aplicativo Telegram confirmou ao jornal Correio Braziliense a autenticidade das mensagens vazadas na sexta-feira 28 pelo site The Intercept. Segundo ele, as críticas feitas ao ex-juiz Sérgio Moro por parte de membros da força-tarefa da Lava Jato realmente existiram.

“Não posso atestar que tudo que foi publicado até agora é real e não sofreu alterações. No entanto, aquelas mensagens que foram publicadas ontem (sexta-feira 28) são autênticas”, informou ao jornal o membro do Ministério Público Federal.

Críticos ao vazamento e o próprio ministro da Justiça afirmaram que o conteúdo era duvidoso após um erro de edição ser corrigido pelo site. Em tuite publicado pelo editor-executivo Glenn Greenwald, o nome de um dos procuradores aparecia como Ângelo Goulart Villela.

A matéria publicada, no entanto, citou Ângelo Augusto Costa – o que foi corrigido antes da publicação original, mas conseguiu movimentar o argumento de Moro e da Associação Nacional de Procuradores da República sobre a falta de veracidade das mensagens.

O procurador que falou ao Correio afirmou lembrar-se da troca de mensagens com conteúdo crítico ao ex-juiz Sérgio Moro, e afirmou ter conseguido recuperar mensagens do grupo, que já foi excluído. “Percebi que os trechos divulgados não são de diálogos completos. Tem mensagens anteriores e posteriores às que foram publicadas”.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem