Política

Privatização causa disputa judicial na Petrobras e briga nos Correios

Petroleira é acusada de tentar fraudar decisão do STF, enquanto estatal de cartas tem guerra de números e greve anunciada

As centrais sindicais promovem em 7 de agosto protestos contra o governo Jair Bolsonaro. Um dos motivos são as mortes por coronavírus, à beira de 100 mil. O outro, a cobrança por mais empregos e por menos privatizações. No capítulo “privatizações”, há hoje rolos na Petrobras, a desaguar na Justiça, e nos Correios, palco de disputa entre direção e funcionários a levar à convocação de greve.

A Petrobras está na berlinda no Supremo Tribunal Federal (STF). Em julho, o Congresso acionou o STF a acusar a estatal de tentar “fraudar” uma decisão anterior da corte e, assim, levar adiante a venda de vários nacos da companhia, como refinarias de petróleo e usinas de biodiesel.

Em julho de 2019, o STF julgou que estatais podem ser privatizadas apenas com aval do Congresso. Só empresas subsidiárias de uma estatal ou controladas por ela escapam do aval. A decisão foi motivada por uma ação da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Financeiro (Contraf) e da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae).

Para driblar a necessidade de submeter aos parlamentares planos privatizadores na Petrobras, diz a reclamação levada ao Supremo pelo Congresso em julho, a companhia resolveu se “fatiar” e chamar de “subsidiárias” suas refinarias. Subsidiárias “criadas artificialmente”, alega a reclamação, para que a decisão do STF seja “fraudada”.

Um exemplo de operação artificial, diz a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), são usinas de biodiesel (usam óleo de soja, de algodão e de palma). A Petrobras tem três usinas dessas (em Minas, na Bahia e no Ceará). Até novembro 2019, elas eram da empresa-mãe, a holding Petrobras. Depois, afirma a FNP, foram repassadas à Petrobras Biocombustíveis (PBio), subsidiária criada em 2008.

Os negócios com biocombustíveis tem sido positivos para a Petrobras. A PBio lucrou 243 milhões de reais em 2019 e 179 milhões em 2018. É a sexta maior produtora de biodiesel do País, com 5,5% do mercado. De 2016 a 2019, sua capacidade de produção subiu 21%. Tende a aumentar as vendas a partir de 2023, ao vigorar nova adição mínima de biodiesel no diesel, 15% no lugar dos atuais 12%.

A Petrobras fez outra manobra estranha na tentativa de privatizar sua área de biocombustíveis, na visão da FNP. Ao anunciar o plano de venda, deixou de fora uma outra “fatia” de seus negócios de biodiesel, na qual há um crédito tributário de 2,3 bilhões de reais. Isso significa que a estatal barateou seus próprios ativos.

A reclamação do Congresso contra a Petrobras foi distribuída no STF a Ricardo Lewandowski. O juiz é o relator da ação da Contraf e da Fenae sobre privatização exigir aval parlamentar. Ele deu uma liminar nesse caso em 2018 e ela foi referendada pelo plenário da corte em 2019. Referendada em parte, pois Lewandowski estendia a exigência de aval a subsidiárias e controladas.

No caso da reclamação do Congresso, o juiz decidiu, em 3 de agosto, que a corte precisa sortear um novo relator, em vez de o caso ficar com ele próprio.

No mesmo dia, a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares (Fentect) convocou para 18 de agosto uma greve geral, por tempo indeterminado. É uma reação da categoria à decisão da diretoria dos Correios de cortar benefícios negociados em 2019 em um acordo coletivo chancelado pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) e válido até julho de 2021.

“Aos trabalhadores, cujas representações sindicais nunca foram recebidas pelo presidente dos Correios nesse um ano de gestão, restaria fazer o quê? Aceitar passivamente uma brutal redução de remuneração em plena pandemia?”, diz Marcos César Alves Silva, vice-presidente da Associação dos Profissionais dos Correios (Adcap).

O anúncio do corte dos benefícios foi feito publicamente pelo presidente do Correios, o general Floriano Peixoto, em uma entrevista à Veja no fim de julho. Para funcionários dos Correios, a entrevista foi uma tentativa de jogar a opinião pública contra os funcionários e a própria estatal, a fim de facilitar a privatização dela, sonho de Bolsonaro.

Na lista do que será cortado, estão o abono de férias de dois terços do salário (a CLT proporciona um terço), vale cultura mensal, licença maternidade de 180 dias (será de apenas 120, conforme a lei) e uma gratificação natalina de 1 mil reais.

Na reportagem da Veja, os Correios informaram que o corte é necessário diante da queda do faturamento decorrente da pandemia de coronavírus. A perda de receita com a entrega de cartas teria sido de 820 milhões de reais no primeiro semestre do ano, na comparação com 2019.

Segundo funcionários, a estatal contou só metade da história. Houve perda de receita com cartas, mas o volume de encomendas aumentou, no embalo do comércio eletrônico. Tudo somado, a queda do faturamento total teria sido de somente 2%.

Além disso, seguem os funcionários, o gasto com pessoal teria caído 10% no semestre, graças a mudanças no plano de saúde. Em junho de 2019, 357 mil empregados eram atendidos pelo convênio. Em maio de 2020, 284 mil, 63 mil a menos.

Enquanto isso, a remuneração dos dirigentes e conselheiros dos Correios subiu 6% no mesmo período. É uma remuneração gorda. Floriano Peixoto ganha auxílio-moradia de 1,8 mil por mês, mesmo valor pago a toda a diretoria. É mais do que o salário de um carteiro, 1,7 mil reais em média.

O general assumiu os Correios em junho de 2019, após Bolsonaro demitir outro general, Juarez Cunha, por este ser contra privatizar a empresa. Peixoto ganhou um aliado na privatização, com a nomeação, em junho, do deputado Fabio Faria no Ministério das Comunicações. Faria é do PSD, partido que mandou nos Correios no governo Temer e desde lá queria privatizar a companhia.

Peixoto tem usado o rombo acumulado de 2,4 bilhões da estatal como argumento pró-privatização. Esse prejuízo foi até 2016. É uma consequência, segundo Alves Silva, de dividendos retirados pelo governo e de uma alteração contábil que antecipou o registro de despesas futuras. Os últimos três anos, porém, foram de lucro: 667 milhões em 2017, 161 milhões em 2018 e 102 milhões em 2019.

Nos cinco primeiros meses de 2020, o lucro estava em 383 milhões. Funcionários dizem que, nessa toada, chegará a 800 milhões no fim do ano. Com o corte de 600 milhões em benefícios trabalhistas, a estatal teria um ganho no ano de 1,4 bilhão de reais. Com esse dinheiro, seria possível bancar um PDV para enxugar a empresa e facilitar sua privatização.

Para a Adcap, há oportunidades de aumentar os lucros que os Correios desperdiçam devido aos planos privatizadores do governo. É o caso do Banco Postal, parceria com o Banco do Brasil encerrada em dezembro de 2019. O banco tinha pago 2,3 bilhões para usar agências dos Correios como correspondentes bancários.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!