Política

assine e leia

Prevenir para não remediar

Cientistas, organizações civis e políticos se mobilizam por um plano nacional de adaptação climática

Juntar os cacos. Eldorado do Sul é uma das cidades varridas do mapa. Em Porto Alegre, começa o trabalho de limpeza após baixar o nível do Rio Guaíba – Imagem: Alex Rocha/Prefeitura de Porto Alegre e Gustavo Mansur/GOVRS
Apoie Siga-nos no

O cenário apocalíptico produzido pelas enchentes no Rio Grande do Sul é uma reprodução, em larga escala, das tragédias em anos recentes no litoral paulista, na Baixada Fluminense, no sul da Bahia e em Recife. Em todos os casos, há centenas de mortes, milhares de desabrigadas e desalojados e cidades inteiras debaixo d’água. Pior: as cidades brasileiras não estão preparadas para lidar com os efeitos das mudanças climáticas, o que aumenta o risco de desastres frequentes e cada vez mais impactantes. De acordo com um estudo da Associação de Pesquisa Iyaleta, apenas 13,09% dos municípios têm planos de contenção de desastres. Dados divulgados pelo governo federal revelam, por outro lado, que o Brasil possui quase duas mil cidades suscetíveis a calamidades relacionadas a deslizamentos de terras, alagamentos, enxurradas e inundações.

Bahia, Espírito Santo, Pernambuco, Minas Gerais e Acre são os mais suscetíveis à crise climática, com risco maior nas regiões costeiras, diante da iminência do aumento do nível do mar. “A vulnerabilidade é uma realidade na grande maioria das cidades. Ter um tipo de estrutura mínima possível não é suficiente para estar apto à adaptação climática. Não adianta falar de infraestrutura sem ter recursos alocados. O que a gente vê normalmente é esses municípios operando na gestão de desastre, decretando calamidade durante o evento ocorrido, mas sem orçamento para prevenção. A cultura é de trabalhar a gestão de desastre, é de dizer ‘aconteceu, não é responsabilidade minha, e eu preciso de dinheiro agora porque a população está morrendo’. Essa é a cultura da gestão pública”, critica o geógrafo Diosmar Filho, pesquisador da Iyaleta e um dos coordenadores do estudo Adaptação Climática: Uma Intersecção Brasil 2022-2024.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo