Política

Presidente da CPMI do 8 de Janeiro quer proibir jornalista de divulgar documentos confidenciais

O ato assinado por Arthur Maia (União-BA) também proíbe profissionais de tirar fotos dos celulares de parlamentares

Foto: Pedro França/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O presidente da CPMI do do 8 de Janeiro, deputado Arthur Maia (União-BA), editou nesta segunda-feira 28 um ato para impor limites à atuação de jornalistas que cobrem as sessões do colegiado. 

Segundo o texto, os profissionais de imprensa não poderão divulgar documentos considerados “confidenciais”. 

Os jornalistas também ficam impedidos de publicar o conteúdo de mensagens dos celulares de integrantes da CPMI, que ficam expostos e podem ser captados por fotos. 

Segundo Maia, “não há direito absoluto no ordenamento jurídico pátrio, de maneira que tal previsão deve ser sopesada com os direitos próprios da personalidade, como o direito à intimidade e proteção da vida privada”.

O ato ainda sustenta que os profissionais que descumprirem as determinações estarão sujeitos a sanções, não especificadas no texto. 

A decisão do presidente da CPMI foi tomada dias após ele expulsar do plenário um fotojornalista que registrou uma conversa no celular do senador Jorge Seif (PL).

Maia justificou a restrição da atividade dos jornalistas sob a alegação de que “a inviolabilidade do sigilo de dados constitui uma das expressões do direito de personalidade, somente podendo ser quebrada mediante ordem judicial devidamente fundamentada”.

Em reação ao deputado, a Associação Brasileira de Imprensa considerou a decisão de impedir o acesso do fotojornalista ao plenário como ilegal, inconstitucional e autoritária. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo