CartaExpressa

Presidente da Anvisa confirma que Bolsonaro tentou alterar bula da cloroquina

A denuncia foi feita pelo ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta

Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres. Foto: Reprodução/Youtube.
Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres. Foto: Reprodução/Youtube.

Em depoimento à CPI da Covid desta terça-feira 11, o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, confirmou que o governo de Jair Bolsonaro tentou alterar a bula da Cloroquina para incluir o tratamento contra a Covid-19.

A denúncia foi feita na última semana pelo ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e confirmada hoje por Torres.

“Minha reação foi muito imediata de que aquilo não podia acontecer. Só quem pode modificar é a agência reguladora daquele país, mas desde que solicitado pelo laboratório… Quando houve uma proposta de uma pessoa física de fazer isso, me causou uma reação mais brusca. A reunião não durou mais depois disso”, contou.

O presidente contou que a reunião aconteceu no Palácio do Planalto e que não recebeu a informação de quem foi a ideia de fazer a alteração na bula.

“Confirmo de minha memória a presença do general Braga Neto, o ministro Mandetta, eu, a Dra. Nise Yamaguchi, e um médico que não recordo o nome. Não tenho na minha memória as presenças do ministro Jorge Oliveira e Luiz Eduardo Ramos.”

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!