Política

Por que vice-presidente do PT não se incomoda com uma chapa puro-sangue do PSD no Rio

Gilberto Kassab sugere prefeito e vice de seu partido de olho na disputa estadual de 2026

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

Uma parcela do Partido dos Trabalhadores criticou a declaração em que o presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, indicou uma chapa puro-sangue para a reeleição de Eduardo Paes (PSD) no Rio de Janeiro. Não é o caso do vice-presidente nacional do PT Washington Quaquá.

Deputado federal, Quaquá dispara contra o que considera um movimento divisionista no PT do Rio. Ele se refere a correligionários que defendem, por exemplo, apoiar Tarcísio Motta (PSOL) em vez de se aliar a Paes no primeiro turno.

O vice-presidente petista afirmou a CartaCapital não ver motivo para incômodo com uma chapa 100% pessedista na capital fluminense. “Inclusive, é bom que Kassab já se comprometa com o apoio a reeleição do presidente Lula”, declarou. “O Rio faz parte desse acordo.”

O argumento de Kassab para sugerir prefeito e vice do PSD também passa por 2026, mas sobre outras bases: Eduardo Paes tende a deixar um eventual novo mandato daqui a dois anos para se lançar a governador.

“Ele está muito motivado a ser prefeito cumprindo mandato em tempo integral, mas não vai poder, quando for perguntado se vai ser candidato a governador, afirmar que existe essa possibilidade se não tiver um vice do mesmo partido, que conheça os projetos, alguém de dentro do time”, disse Kassab no domingo 9. “Essa é efetivamente a posição dele e, principalmente, a da nacional do PSD.”

O favorito do prefeito para o cargo de vice é o deputado federal Pedro Paulo (PSD). Kassab, porém, ainda não cravou a definição e até ponderou ser “desrespeito com os aliados” afirmar categoricamente que a chapa não contemplará um partido coligado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo