Políticos e eleitores criticam a Globo e pedem debate virtual em SP

Última antes da eleição, a sabatina foi cancelada depois que o candidato do PSOL anunciou estar com Covid-19; emissora diz seguir regras

O candidato Guilherme Boulos (PSOL). Foto: Reprodução/Twitter

O candidato Guilherme Boulos (PSOL). Foto: Reprodução/Twitter

Política

Políticos e eleitores protestaram nas redes sociais contra a decisão da TV Globo em cancelar o debate entre os candidatos a prefeito de São Paulo nesta sexta-feira 27, depois que Guilherme Boulos (PSOL) anunciou teste positivo para a Covid-19.

A hashtag #DebateBoulosCovasOnline chegou à 1ª posição entre os assuntos mais comentados no Twitter.

 

 

O próprio Boulos foi às redes sociais para pedir à Globo que mantenha o debate, de forma online.

“Hoje à noite está marcado do debate da Globo, e evidentemente não vou poder ir para o estúdio. Nós vamos propor para a emissora que o debate possa acontecer de forma virtual: eu, aqui na minha casa, o Bruno Covas na casa dele, e o César Tralli no estúdio. Eu sei que todo mundo quer e espera esse debate”, disse o psolista, em vídeo.

 

 

Outros políticos do PSOL também se manifestaram. Vereadora eleita neste ano, Erika Hilton (PSOL-SP) escreveu que a emissora faz “diversos programas online” e teria “tecnologia e equipe” para realizar o debate virtualmente.

 

 

O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) escreveu que “a democracia pede debate” e argumentou que “várias escolas estão funcionando remotamente”, assim como as sessões do Congresso Nacional. “Por que não podemos ter um debate virtual hoje com Boulos e Covas?”, questionou.

Candidato a prefeito no 1º turno, Orlando Silva (PCdoB-SP) afirmou que o cancelamento do debate é prejudicial à democracia. “A Rede Globo persiste no erro! Há condições de fazer o debate. Hoje, realizamos uma excelente audiência pública virtual na Câmara. Aulas, provas e até vestibulares virtuais estão ocorrendo. Não há motivo para não realizar um debate virtual. Desapreço pela democracia.”

O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) também protestou: “O fato do Guilherme Boulos estar com Covid não o impede de participar de um debate virtual”. Na mesma linha, o diretório do PT em São Paulo e a deputada estadual Isa Penna (PT-SP) divulgaram uma hashtag em apoio a Boulos e em defesa da realização do debate online.

O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) escreveu que “é essencial que a Rede Globo realize o debate online” e acrescentou que “o povo tem direito de conhecer melhor os seus candidatos”. O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) corroborou: “Defendemos que aconteça o #DebateBoulosCovasOnline e seguimos virando votos”.

A economista Monica de Bolle afirmou que “até nos EUA essa possibilidade [de debate online] existiu em cima do laço”, mas quem desistiu foi o então candidato Donald Trump.

Internautas citaram casos em que a TV Globo usou canais virtuais para entrevistar convidados em sua programação. Um dos eventos mais citados foi a entrevista com a cantora inglesa Dua Lipa, no Fantástico, no domingo 22. No entanto, a artista foi filmada anteriormente em Londres e reproduzida digitalmente no palco do programa.

“A Rede Globo fez uma projeção holográfica da Dua Lipa ao vivo no Fantástico, mas não consegue usar um Zoom no debate entre Boulos e Covas?”, questionou um usuário.

 

 

Outros usuários lembraram a entrevista com o ex-presidente americano Barack Obama no programa Conversa com Bial, também realizada de forma virtual, e uma atração no programa Caldeirão do Huck, em que o apresentador aparece com dezenas de internautas simultaneamente.

 

 

Globo: ‘Cancelamento segue regras acordadas com partidos’

Em nota, a Globo diz que o cancelamento segue regras acordadas com ambos os partidos.

“Seguindo as regras acordadas com os partidos, que preveem o cancelamento do debate em caso de problemas de saúde de um dos participantes, a TV Globo cancelou o evento entre candidatos à Prefeitura de São Paulo, que seria realizado hoje à noite, após Guilherme Boulos (PSOL) ter comunicado que testou positivo para COVID-19.

Com isso, a TV Globo reexibirá para São Paulo o ‘Globo Repórter’ com a viagem de Glória Maria a Macau, na China. No Rio de Janeiro e em Recife, os debates entre os candidatos que chegaram ao segundo turno nas respectivas cidades estão mantidos.”

A Globo também havia cancelado o debate eleitoral de 1º turno. Em nota de 21 de setembro, expôs motivos para não optar pelo formato virtual naquela ocasião.

“A alternativa de fazer um debate de forma remota não é possível. Os candidatos precisam ser tratados de forma equânime e ter as mesmas condições, e o público precisa perceber isso. Um candidato pode injustamente ser acusado de estar com ponto eletrônico, de estar recebendo ajuda de assessores, por exemplo. A transmissão pode cair num momento importante do debate, e a Globo ser injustamente acusada de ser a culpada ou, da mesma forma, e também de forma injusta, o candidato ou sua campanha serem acusados de terem provocado a interrupção para fugir de um momento difícil.”

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem