Política educacional deve seguir visão de Bolsonaro, defende Milton Ribeiro

Em reunião, o ministro da Educação orientou o presidente do Inep e servidores a adotarem as ideias do capitão

Jair Bolsonaro e Milton Ribeiro. Foto: Reprodução/Redes Sociais

Jair Bolsonaro e Milton Ribeiro. Foto: Reprodução/Redes Sociais

Educação,Política

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou no último dia 22 que a política de educação do País deve ser pensada a partir da visão educacional do presidente Jair Bolsonaro. A informação é do UOL.

 

 

A declaração foi dada durante uma reunião com o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Danilo Dupas, e servidores da autarquia.

“É com ele que eu troco ideias quando quero fazer uma mudança (…) Em nenhum momento ele ficou sem saber sobre datas ou procedimento nesses nove meses”, disse Ribeiro em referência ao presidente.

O encontro ocorreu quase dez dias após os servidores do Inep publicarem uma carta em que falam dos riscos que a autarquia sofre com as nomeações ideológicas e trocas no comando.

“Por isso, peço que o senhor [Dupas] tenha sempre a sensibilidade de fazer o que é certo. Quando tiver os dois caminhos, escolha o mais próximo possível da visão que nós temos a respeito da gestão pública, […] bem próxima da visão do presidente da República e da visão do ministro que ele colocou”, afirmou o titular da pasta.

Em outra ocasião, o ministro já havia afirmado que a contratação não iria alterar o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), que ainda não tem definição para acontecer neste ano.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem