Política

Marcha em Brasília

Polícia reprime ato contra Temer; Governo convoca tropas federais

por Redação — publicado 24/05/2017 15h36, última modificação 24/05/2017 17h37
PM revidou com violência tentativa de manifestantes de se aproximarem do Congresso. Governo convoca tropas federais.
Pedro Ladeira / Folhapress
Confronto

Manifestante se protege de bombas na Esplanada dos Ministérios em Brasília

A Polícia Militar do Distrito Federal reprimiu de forma violenta a marcha que reuniu centrais sindicais e movimentos sociais nesta quarta-feira 25 em Brasília. Os manifestantes pedem a saída do presidente Michel Temer e eleições diretas, além de serem contra as reformas trabalhista e da Previdência que tramitam atualmente no Congresso Nacional.

A PM ou o Corpo de Bombeiros ainda não confirmam números, mas há dezenas de feridos entre os manifestantes, principalmente atingidos por balas de borracha, e seis policiais feridos. De acordo com o portal UOL, há pelo menos um ferido grave, que perdeu parte da mão. Pelo menos quatro pessoas foram detidas pela polícia.

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, informou que o presidente Michel Temer decretou a "ação de garantia da lei e da ordem" na Esplanada dos Ministérios e, com isso, tropas federais passarão a reforçar a segurança na região.

Jungmann fez um pronunciamento por volta das 16h30. "O senhor presidente decretou, por solicitação do senhor presidente da Câmara, a ação de garantia da lei e da ordem e, nesse instante, tropas federais se encontram nos palácios do Planalto e do Itamaraty e logo mais estarão chegando tropas para assegurar que os prédios dos ministérios sejam mantidos incólumes", anunciou o ministro da Defesa.

Segundo o ministro, a manifestação era pacífica, mas "degringolou na violência, no vandalismo, no desrespeito, na agressão ao patrimônio público e na ameaça às pessoas".

Incêndio em Ministério

Imagens mostradas pelo canal a cabo GloboNews mostraram um incêndio dentro do prédio do Ministério da Agricultura. O fogo só foi extinto por volta das 16h. Segundo a emissora, todos os ministérios da Esplanada dos Ministérios foram evacuados e há danos também nos ministérios do Turismo, Fazenda, Planejamento e Minas e Energia. Há notícias ainda de uma invasão no Ministério da Cultura, onde manifestantes teriam roubado documentos e computadores e os jogado na rua, e de focos de incêndio no Ministério da Planejamento, já controlado. 

De acordo com a organização do ato, cerca de 800 ônibus com manifestantes de todo o Brasil chegaram a Brasília até a manhã de hoje e o ato se concentrou no Estádio Mané Garrincha. Por volta das 11h30 a passeata teve início com o objetivo de chegar ao Congresso e à Praça dos Três Poderes.

Um forte esquema de segurança, porém, impedia o avanço dos manifestantes, que forçaram a passagem já nas proximidades do Congresso, por volta das 13h30. Em retaliação, a polícia usou bombas de gás lacrimogênio e balas de borracha para conter a multidão. Há forte divergência entre os números, uma vez que a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal fala em 35 mil pessoas e os organizadores do evento falam em 150 mil.

fogo.jpg
Focos de incêndio ao longo da Esplanada dos Ministérios (Agência Brasil)
Durante a marcha, líderes sindicais anunciaram no carro de som que nenhum mascarado ia entrar no movimento. "Estamos de olho", anunciaram e pediam que quem estiver com o rosto coberto que tirasse a máscara. No entanto, imagens veiculadas pelos meios de comunicação e nas redes sociais mostram vários manifestantes com os rostos cobertos e armadas com pedaços de madeira.

Prédios da Esplanada dos Ministérios foram danificados durante o ato. Um manifestante com o rosto coberto pichou "Diretas Já" na fachada do prédio de Minas e Energia. No Ministério da Fazenda, vidros foram quebrados e os servidores, dispensados. Banheiros químicos e grades dispostas ao longo da via também foram derrubados.

Mesmo após dispersar boa parte do ato, por volta das 15h a Polícia continua jogando bomba contra os manifestantes nas vias S1 e N1, nos arredores da Esplanada dos Ministérios. Mesmo assim, novos grupos continuavam a chegar no gramado central da Esplanada.

Congresso Nacional

Parlamentares de partidos da oposição se juntaram à marcha por volta de 13h e subiram em um dos carros de som que cruzava a Esplanada dos Ministérios, mas disseram que só iam discursar quando estiverem na frente do Congresso. No momento de confronto, alguns deles - como os deputados Chico Alencar (Psol-RJ) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e os senador Paulo Paim (PT-RS) - sofreram os efeitos da forte repressão policial ao serem atingidos pelo gás lacrimogênio.

Dentro do Senado, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) anunciou em Plenário que vai formalizar pedido para que a Presidência do Senado solicite da Polícia Militar do Distrito Federal mais respeito no tratamento com os manifestantes. A senadora contou que estava em um carro de som no início desta tarde e presenciou o início dos confrontos entre pessoas presentes à manifestação e os policiais.

"Podíamos ver uns 50, 60 homens mascarados com paus na mãos. Eu falei do caminhão, pedi para que não usassem máscara porque ali só tinha pais e mães de família, só tinha trabalhadores",  relatou a senadora. Vanessa acredita que essas pessoas foram infiltradas na manifestação para causar confusão e a polícia respondeu imediatamente de forma violenta.

Na Câmara, a sessão deliberativa do plenário foi suspensa e encerrada apósprotesto dos partidos de oposição ao governo que criticavam a ação da policial durante manifestação que ocorre na Esplanada dos Ministérios. Alguns líderes partidários ocuparam a mesa do plenário da Câmara gritando “Diretas Já, o povo quer votar”.

O líder da minoria, deputado José Guimarães (PT-CE), disse que a polícia agrediu inclusive parlamentares que participavam do protesto e pediu o fim da sessão do plenário. “A força bruta não pode substituir a democracia (….) Por isso, eu peço o encerramento da sessão”, declarou.

Na tribuna, o líder do DEM, Efraim Filho (PB), rebateu as críticas e disse que a polícia também foi agredida. Ele pediu que os parlamentares voltassem a trabalhar. Ao ocupar a mesa do plenário, os oposicionistas estenderam uma faixa com a frase “Fora Temer”. O deputado Mauro Pereira (PMDB-RS) arrancou a faixa das mãos dos deputados, o que provocou certo tumulto. Durante a confusão ouviu-se também no plenário gritos de "Lula na cadeia", em referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O presidente da sessão, deputado André Fufuca (PP-MA), tentou manter o andamento dos trabalhos, mas decidiu suspender e depois encerrar os trabalhos.

Com informações da Agência Brasil