Polícia Federal pede para ouvir Bolsonaro sobre acusações de Moro

'As investigações se encontram em estágio avançado', escreveu delegada da PF ao pedir que Celso de Mello determine depoimento

O presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR

O presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR

Política

A delegada da Polícia Federal Christiane Correa Machado encaminhou, na tarde desta terça-feira 23, um pedido para que o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, considere convocar o presidente Jair Bolsonaro para depor sobre o inquérito que investiga suposta intervenção na corporação.

O pedido foi encaminhado na sexta-feira 19 e se justifica, segundo aponta a delegada, pelo “estágio avançado” das investigações sobre o caso. O documento foi publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo.

“Informo a Vossa Excelência que as investigações se encontram em estágio avançado, razão pela qual nos próximos dias torna-se necessária a oitiva do Senhor JAIR MESSIAS BOLSONARO, Presidente da República”, escreveu Machado.

O ex-ministro Sergio Moro foi o primeiro a ser ouvido na investigação aberta em 27 de abril, três dias depois de sua saída do governo. A investigação tem como base a acusação do ex-ministro sobre a interferência de Bolsonaro na autonomia da Polícia Federal. O presidente nega as acusações.

No dia 8 de junho, Celso de Mello, que é o relator do inquérito na Corte, acatou um pedido feito pela Polícia Federal e prorrogou o andamento do processo por mais 30 dias. Na ocasião, os investigadores já haviam relatado vontade de ouvir o presidente, além de aprofundar investigações na superintendência da PF no Rio de Janeiro, dadas as suspeitas de ingerência de Bolsonaro nas direções regionais da corporação.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem