Polícia Federal pede para ouvir Bolsonaro sobre acusações de Moro

'As investigações se encontram em estágio avançado', escreveu delegada da PF ao pedir que Celso de Mello determine depoimento

O presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR

O presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR

Política

A delegada da Polícia Federal Christiane Correa Machado encaminhou, na tarde desta terça-feira 23, um pedido para que o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, considere convocar o presidente Jair Bolsonaro para depor sobre o inquérito que investiga suposta intervenção na corporação.

O pedido foi encaminhado na sexta-feira 19 e se justifica, segundo aponta a delegada, pelo “estágio avançado” das investigações sobre o caso. O documento foi publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo.

“Informo a Vossa Excelência que as investigações se encontram em estágio avançado, razão pela qual nos próximos dias torna-se necessária a oitiva do Senhor JAIR MESSIAS BOLSONARO, Presidente da República”, escreveu Machado.

O ex-ministro Sergio Moro foi o primeiro a ser ouvido na investigação aberta em 27 de abril, três dias depois de sua saída do governo. A investigação tem como base a acusação do ex-ministro sobre a interferência de Bolsonaro na autonomia da Polícia Federal. O presidente nega as acusações.

No dia 8 de junho, Celso de Mello, que é o relator do inquérito na Corte, acatou um pedido feito pela Polícia Federal e prorrogou o andamento do processo por mais 30 dias. Na ocasião, os investigadores já haviam relatado vontade de ouvir o presidente, além de aprofundar investigações na superintendência da PF no Rio de Janeiro, dadas as suspeitas de ingerência de Bolsonaro nas direções regionais da corporação.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem