PGR nega pedido de Lula pela suspeição de procuradores no caso tríplex

Os advogados do ex-presidente também pediam a nulidade das condenações, com base nos diálogos vazados e publicados pelo site The Intercept

Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: Ricardo Stuckert)

Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: Ricardo Stuckert)

Política

O procurador-geral da República interino, Alcides Martins, emitiu na sexta-feira 20 parecer contrário ao recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que pede a suspeição dos procuradores que atuaram nos casos do tríplex do Guarujá e do sítio de Atibaia. Os advogados também pediam a nulidade das condenações, com base nos diálogos vazados e publicados pelo site The Intercept Brasil.

A defesa também pediu que as cópias das mensagens trocadas entre procuradores da República sejam compartilhadas e a PGR também se manifestou de forma contrária a este requerimento.

Para além do conteúdo das mensagens vazadas, os advogados do ex-presidente consideraram no recurso que houve a “realização de um espetáculo” durante uma apresentação do Ministério Público Federal onde o coordenador da Força-Tarefa de Curitiba, Deltan Dallagnol, mostrou um power point implicando diversos crimes ao ex-presidente. Eles citam também que houve direcionamento das investigações “em desfavor” de Lula e a criação de um fundo bilionário sob a alçada da 13ª Vara Federal de Curitiba, fatores que teriam colocado sob suspeita a atuação dos procuradores da República.

No entendimento do procurador interino, tanto na condenação quanto na prisão provisória de Lula, “foram asseguradas todas as garantias constitucionais aplicáveis à espécie, em especial o direito à ampla defesa e ao contraditório, tendo sido confirmadas por mais de uma instância jurisdicional.”

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem