…

Pesquisas evidenciaram impulsão de mensagens, diz diretor do Datafolha

Política

Mauro Paulino, diretor do instituto Datafolha, afirmou em sua conta no Twitter que as pesquisas eleitorais “evidenciaram a impulsão da onda nos momentos finais” do primeiro turno, ao comentar reportagem da Folha de S.Paulo sobre a contratação por empresas de um serviço de disparo de mensagens para distribuir propaganda anti-PT. Não declarada pela campanha de Jair Bolsonaro, a prática pode ser enquadrada como doação empresarial, o que é vedado pela legislação eleitoral. 

Leia também:
Haddad: Bolsonaro patrocinou com dinheiro sujo campanha para me atacar
Quem financia e quanto custa a campanha de Bolsonaro no WhatsApp?

“Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal são claros exemplos. Ao se comparar as fotos das vésperas, registradas por Ibope e Datafolha, em comparação com a foto das urnas, o fenômeno é claramente explicitado”, escreveu Paulino, ao compartilhar a matéria sobre a contratação de disparos de mensagem. 

A matéria publicada pela Folha nesta quinta-feira 18 aponta que o candidato Romeu Zema, do Novo, declarou ao TSE um pagamento de 200 mil reais à empresa Croc Services para impulsionar conteúdos.  Segundo a empresa, foi feito disparos em massa em favor do candidato, mas apenas para filiados do partido, o que é legal.

As pesquisas Datafolha e Ibope de sábado 6, véspera do primeiro turno, indicavam que Bolsonaro tinha entre 40 a 41% das intenções de voto, mas terminou a disputa com 46% dos voto válidos. Os candidatos Zema, Wilson Witzel, do PSC, e Ibaneis, do MDB, disparam repentinamente em Minas Gerais, Rio de Janeiro e Distrito Federal. 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem