PEC 241 ameaça ganhos reais no salário mínimo

Política

Além do impacto negativo sobre os orçamentos da Saúde e da Educação, a PEC 241, que limita pelos próximos 20 anos o aumento dos gastos públicos à inflação aferida no ano anterior, pode interferir em uma das políticas de distribuição de renda mais relevantes dos últimos anos: a valorização do salário mínimo.

No substitutivo apresentado pelo deputado Darcísio Perondi (PMDB) à proposta que está sob análise da Câmara, há a previsão de punições como o congelamento dos salários de servidores públicos e o veto ao aumento do salário mínimo acima da variação inflacionária. As sanções não constavam na proposta original apresentada pelo governo de Michel Temer. 

Segundo o artigo 104 do texto apresentado por Perondi, serão aplicadas diversas punições aos poderes “até o final do exercício de retorno das despesas aos respectivos limites”. Entre as sanções previstas, fica vedada “a adoção de medida que implique reajuste de despesa obrigatória acima da variação da inflação”. Embora o texto ressalve a “preservação do poder aquisitivo” do salário mínimo, a punição equivale a um congelamento do aumento real dos vencimentos. 

O texto prevê também a proibição à concessão de aumento e reajuste de remuneração “de membros de Poder ou de órgão, de servidores e empregados públicos e militares” caso o limite de gastos imposto pela PEC seja descumprido. 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem