Partidos de oposição anunciam atos unificados pelo impeachment de Bolsonaro

A decisão foi comunicada por PT, PSOL, PCdoB, PDT, PSB, PV, Rede, Solidariedade e Cidadania; protestos acontecem em outubro e novembro

Em Brasília, manifestantes pedem

Em Brasília, manifestantes pedem "Fora Bolsonaro". Foto: Sergio Lima / AFP

Política

Partidos de oposição com representação na Câmara dos Deputados aprovaram, nesta quarta-feira 15, duas datas para manifestações unificadas em defesa do impeachment de Jair Bolsonaro.

 

 

A decisão foi anunciada por PT, PSOL, PCdoB, PDT, PSB, PV, Rede, Solidariedade e Cidadania. Os próximos atos acontecerão em 2 de outubro (sábado) e em 15 de novembro (segunda-feira).

O primeiro protesto, em outubro, já constava do calendário da campanha nacional Fora, Bolsonaro, composta por partidos, centrais sindicais e movimentos sociais como as frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular.

“A convocação de mobilizações amplas para os dias 2 de outubro e 15 de novembro inicia uma nova etapa na luta pelo impeachment de Bolsonaro. Não temos mais tempo a perder se quisermos que o genocida deixe o poder. A hora é agora”, disse a CartaCapital o presidente do PSOL, Juliano Medeiros.

Pelas redes sociais, a presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, celebrou a unificação das mobilizações. “Por emprego, renda e contra a caristia”, escreveu a deputada.

O presidente do PDT, Carlos Lupi, divulgou um vídeo em que afirmou que “temos de ir para a rua”.

Impeachment já. Fora, Bolsonaro. Antes que ele faça um mal maior para o Brasil, que é voltar ao tempo da obscuridade, da escuridão, das trevas”, disse Lupi.

A presidenta do PCdoB, Luciana Santos, classificou a decisão desta quarta como “um marco na luta pela democracia e pelo impeachment“.

“Precisamos unir forças! É tempo de povo na rua. De mobilizar partidos, movimentos sociais, artistas e personalidades diversas, como vimos em outros momentos de nossa história. Como sempre defendemos, só uma frente ampla será capaz de barrar o retrocesso, devolvendo esperança para nossos povo” escreveu nas redes.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem