Política

Paraná Pesquisas: Haddad lidera com folga em SP; França aparece em segundo lugar

O candidato bolsonarista Tarcísio de Freitas segue distante dos dois nomes da centro-esquerda com pouco mais de 12% das intenções de voto

Fernando Haddad e Márcio França. Fotos: Ricardo Stuckert e Divulgação
Fernando Haddad e Márcio França. Fotos: Ricardo Stuckert e Divulgação
Apoie Siga-nos no

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) lidera com folga todos os cenários eleitorais de primeiro turno para o governo do estado, de acordo com levantamento do instituto Paraná Pesquisas divulgado nesta segunda-feira 4.

O petista tem 30,2% das intenções de voto no principal cenário. Em segundo lugar, aparece o ex-governador Márcio França (PSB), com 17,1%. O socialista trava uma disputa com Haddad para ser o indicado da aliança de partidos de centro-esquerda nestas eleições. França defende que o melhor colocado em uma pesquisa própria, feita por PT e PSB, seja o escolhido.

Mais distantes dos dois nomes está o bolsonarista Tarcísio de Freitas (Republicanos), que soma 12,6% das intenções de voto. O ex-ministro da Infraestrutura é a principal aposta do presidente Jair Bolsonaro (PL) nas eleições deste ano. A alta rejeição ao ex-capitão em São Paulo, no entanto, pode frustrar os planos dos políticos da extrema-direita em alavancar o ex-ministro ao cargo.

A Paraná Pesquisas mostrou ainda que Renata Abreu (Podemos) teria 4,2% dos votos caso fosse a candidata do partido ao cargo. Ela era a aposta de Sergio Moro após o seu aliado Arthur do Val, o Mamãe Falei, se envolver em polêmica com áudios sexistas sobre refugiadas ucranianas. O caso levou o deputado a retirar a pré-candidatura e migrar para o União Brasil para se distanciar de Moro. O ex-juiz, porém, se filiou ao mesmo partido poucos dias depois.

Rodrigo Garcia (PSDB), apadrinhado por João Doria, tem apenas 3,5% dos votos. Vinicius Poit (Novo) soma 0,9% e Felicio Ramuth (PSD) tem 0,8%.

Em último lugar, aparece o também bolsonarista Abraham Weintraub (PMB), com apenas 0,5% das intenções de voto. O ex-ministro da Educação ‘desafiou’ o antigo chefe se lançando como alternativa da extrema-direita no estado. Parte dos antigos aliados já o consideram um traidor e acusam de ‘dividir votos’ da direita.

Os resultados acima são do principal cenário monitorado pelo instituto, que também mediu a preferência dos eleitores em outras duas perspectivas mais enxutas. Veja os números:

Cenário 2

  • Haddad – 31,1%
  • França – 17,6%
  • Tarcísio – 12,7%
  • Garcia – 3,8%
  • Poit – 1,4%
  • Felício – 1%

Cenário 3

  • Haddad – 31,4%
  • França – 18,4%
  • Tarcísio – 12,9%
  • Garcia – 4%

A pesquisa não monitorou cenários de segundo turno em SP. Para chegar aos resultados, foram entrevistados presencialmente 1.820 eleitores entre os dias 27 e 31 de março. A margem de erro é de 2,3 pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%.

Veja a pesquisa completa:

SP_Estadual_Midia-1

Getulio Xavier

Getulio Xavier
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.