Política

Pacheco protocola PEC para criminalizar o porte de qualquer quantidade de droga

‘A lei considerará crime a posse e o porte, independentemente da quantidade, de entorpecentes e drogas’, diz o texto

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Foto: Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), apresentou oficialmente nesta quinta-feira 14 uma proposta de emenda à Constituição para tornar crime a posse e o porte de qualquer droga, independentemente da quantidade.

A PEC foi protocolada nesta tarde, mas ainda precisa do apoio de pelo menos 27 senadores para começar a tramitar.

“Foi uma deliberação do colégio de líderes, por maioria, e devemos encaminhar agora para a coleta de assinaturas”, anunciou Pacheco mais cedo.

O texto propõe inserir no artigo 5º da Constituição que “a lei considerará crime a posse e o porte, independentemente da quantidade, de entorpecentes e drogas afins sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar”.

“Entendemos que a modificação proposta está em compasso com o tratamento multidisciplinar e interinstitucional necessário para que enfrentemos o abuso de entorpecentes e drogas afins, tema atualmente tão importante para a sociedade brasileira. Além disso, a legislação infraconstitucional está em constante revisão e reforma, tendo em conta as circunstâncias sociais e políticas vigentes”, diz a PEC de Pacheco.

Simultaneamente, o Supremo Tribunal Federal está a um voto de descriminalizar o porte de maconha para consumo pessoal.

Votaram pela descriminalização os ministros:

  • Alexandre de Moraes;
  • Luís Roberto Barroso
  • Edson Fachin;
  • Gilmar Mendes; e
  • Rosa Weber.

Só Cristiano Zanin votou contra a descriminalização. Restam os votos de Mendonça, Kassio Nunes Marques, Luiz Fux, Dias Toffoli e Cármen Lúcia.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo