Política

Os laços da Brasil Paralelo, que nega crise climática, na vice-prefeitura de Porto Alegre

Vice-prefeito é apresentador na produtora; instituto de empresário ligado à BP tem atuado na cidade e recebido doações

Pedro Piegas / PMPA
Apoie Siga-nos no

A vice-prefeitura da capital do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, está nas mãos de um dos primeiros participantes, professor e apresentador da Brasil Paralelo – produtora que é uma das maiores fontes no país de conteúdo desinformativo sobre diversos temas científicos, inclusive, as emergências climáticas.

Trata-se de Ricardo Gomes, que chegou ao cargo pelo MDB e depois se filiou ao PL, partido de Jair Bolsonaro. Desde 2020 como vice-prefeito de Sebastião Melo, do MDB, Gomes conseguiu seu primeiro cargo legislativo em 2016, quando foi eleito vereador pelo PP.

Divulgação de participação de Gomes (à esq.) em vídeo da Brasil Paralelo

Segundo a Agência Pública apurou, o maior gasto da campanha de Gomes na época foi com a própria Brasil Paralelo. Ele pagou R$ 20 mil por serviços de “construção de marca e planejamento de conteúdo” para o CNPJ da Brasil Paralelo, que naquela época tinha a razão social LTH Higgs Ltda. No dia 8 de maio, Gomes chegou a usar um boné da Brasil Paralelo em uma transmissão ao vivo durante o trabalho de resgate de vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul.

Por que isso importa?

  • A Brasil Paralelo é uma das principais produtoras de conteúdo no Brasil que questionam que as emergências climáticas atuais estão diretamente relacionadas à atividade humana, sobretudo ao aquecimento global impulsionado pela queima de combustíveis fósseis.
  • O vice-prefeito de Porto Alegre, cidade afetada pelas enchentes no Rio Grande do Sul, tem grandes ligações com a BP.

Gomes já anunciou que não deve concorrer para permanecer no cargo nas eleições deste ano. A sua sucessão, contudo, chegou a ser cogitada para outra pessoa próxima à Brasil Paralelo: Claudio Nudelman Goldsztein, empresário do setor da construção, membro da família Goldsztein, chegou a ser cortejado como possível novo vice junto a Melo. A construtora Cyrela Goldsztein, braço gaúcho da Cyrela, frequentemente apontada como uma das maiores do país, foi fundada pelo seu irmão, Fernando.

Claudio tem atuado há anos para influenciar políticas públicas no estado através da organização que fundou, o Instituto Cultural Floresta (ICF). No dia 6 de maio, em meio às inundações que atingem o Rio Grande do Sul, o ICF postou um vídeo no qual Goldsztein faz propaganda da compra de antenas da Starlink – empresa do bilionário Elon Musk – feita pelo ICF para ajudar no trabalho de resgate de desabrigados. A compra dessas antenas tornou-se um dos assuntos mais comentados da rede social X/Twitter, do próprio Musk, que recebeu os agradecimentos públicos do ICF, como mostrou reportagem do Intercept. A chegada das antenas foi compartilhada junto à desinformação de que nenhuma outra rede de internet estaria funcionando no estado. O governador Eduardo Leite (PSDB) agradeceu a Musk.

Divulgação feita pelo Instituto Cultural Floresta de doação de antenas Starlink, de Elon Musk, para forças policiais no Rio Grande do Sul

Enquanto Goldsztein anunciava as antenas de Musk, o vice-prefeito de Porto Alegre usou uma live da Brasil Paralelo para elogiar a instituição do amigo. Gomes contou que esteve ao lado de Goldsztein desde sexta-feira, 3 de maio, quando a tragédia se acirrou em Porto Alegre. “O Claudio no jipe, eu no barco”, disse. Ao comentar sobre formas de ajuda, o vice-prefeito citou nominalmente a instituição do amigo. “Eu quero referendar aqui o Instituto Cultural Floresta. É um caminho seguro, honesto, transparente pra fazer doações, mas como outros tantos são”, apontou, indicando que a aplicação do dinheiro seria mais rápida do que a doação para órgãos públicos, que teriam que “fazer licitação”, o que faria com que o “primeiro colchão só chegue daqui a seis meses”.

“Obviamente sou vice-prefeito, não tô dizendo pra não doar pra Prefeitura, haverá transparência, haverá aplicação adequada desses recursos, mas o tempo e a agilidade é muito diferente”, acrescentou.

De acordo com matéria do site Porto Alegre 24 Horas, publicada em 27 de abril, Goldsztein teria sido indicado para compor a chapa da candidatura à prefeitura nas eleições deste ano, mas à Agência Pública ele negou que irá concorrer. “Nunca analisei a fundo essa proposta”, ele disse por telefone.

Segundo a Pública apurou, a fundação do instituto de Goldsztein foi inspirada nos mesmos ideais que levaram à criação da Brasil Paralelo. Foi inclusive através do ICF que Goldsztein e o atual vice-prefeito, Ricardo Gomes, se juntaram em uma transmissão da Brasil Paralelo em meio ao desastre que atinge o Rio Grande do Sul.

A reportagem procurou Ricardo Gomes e a Brasil Paralelo, mas eles não responderam até a publicação desta reportagem.

Brasil Paralelo e Instituto Floresta, “crias” de Olavo de Carvalho em Porto Alegre

A Brasil Paralelo foi criada em 2016, em Porto Alegre, por quatro homens, segundo o registro na Junta Comercial. Henrique Viana, um dos fundadores, relatou em uma entrevista que ele e os outros idealizadores faziam palestras para empresários argumentando que, além do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), seria necessário fazer uma “guerra cultural” no país, ocupando a cultura, entretenimento e educação. Essa foi a base do que viria a ser a atuação da Brasil Paralelo.

No mesmo ano, na mesma cidade, surgia o ICF. Fundado por Goldsztein e Luiz Leonardo Abelin Fração – também empresário –, o ICF se autodenomina uma instituição sem fins lucrativos que tem a missão de apoiar a segurança pública no estado e arrecada doações para financiar suas ações.

Viana, da Brasil Paralelo, relatou em uma entrevista que o nome do ICF de Goldsztein foi escolhido em homenagem a uma apresentação de ideias do guru bolsonarista Olavo de Carvalho, que ele e outros fundadores da produtora faziam a empresários de Porto Alegre, em 2016. Os encontros, que tinham a participação de Goldsztein e Fração, foram o embrião da Brasil Paralelo.

“Conheço o Henrique [Viana]. A inspiração de ambos [ICF e Brasil Paralelo] é a mesma, a ideia de que não basta olhar para uma árvore, tem que ver a floresta inteira, mas não que um tenha se inspirado no outro”, disse Goldsztein à Pública.

Em entrevista ao Jornal do Brasil, Fração explicou que criou a organização em resposta a crimes ocorridos na capital gaúcha entre 2015 e 2016. A primeira ação do grupo foi consertar viaturas policiais. “Comecei a ligar para amigos donos de concessionárias de carro pedindo que arrumassem viaturas da PM estragadas. Foram cem carros em duas semanas”, afirma.

O ICF ganhou projeção através de uma iniciativa que ficou conhecida como a “Lei Rouanet da Segurança”. Em 2019, graças à atuação do instituto, empresários gaúchos conseguiram aprovar a legislação que permitia trocar o pagamento de parte dos impostos estaduais pela compra e doação de armas e equipamentos para as forças policiais.

Na época, reportagem da Pública mostrou como o instituto já havia comprado 46 viaturas, 1.500 pistolas e fuzis, alguns de alta precisão, para as forças de segurança gaúcha, apesar de reclamarem de que ainda faltava segurança legal para conseguirem abater os impostos.

Presidente do Instituto Cultural Floresta, Leonardo Fração, doa viaturas e equipamentos à polícia

De acordo com o decreto publicado no final da gestão do governador José Ivo Sartori (MDB), os empresários puderam escolher onde e como seriam aplicados os artigos doados e o município onde seriam utilizados. A discricionariedade foi mantida num decreto do início do governo de Eduardo Leite (PSDB).

A lei criada pelos empresários gaúchos chegou ao hoje senador Sergio Moro (União Brasil-PR). Segundo reportagem do Estadão, a equipe do então ministro da Justiça de Jair Bolsonaro (PL) elaborou uma proposta para criar, no nível federal, a “Lei Rouanet da Segurança Pública” – que não foi aprovada até ele deixar o ministério.

“Guerra cultural”

Em 2016, quando o atual vice-prefeito de Porto Alegre foi eleito vereador pelo PP, Claudio Goldsztein, do ICF, doou R$ 10 mil à campanha.

Gomes foi presidente do Instituto de Estudos Empresariais (IEE), onde ocorreram alguns dos encontros relatados pelo fundador da Brasil Paralelo, Henrique Viana, nos quais pregavam uma “guerra cultural”. O IEE organiza o Fórum da Liberdade, uma conferência que reúne expoentes do liberalismo e da extrema direita.

Após ser eleito vereador da Câmara de Porto Alegre, Gomes foi nomeado secretário de Desenvolvimento Econômico da capital gaúcha, em 2017. Em 2020, candidatou-se e foi eleito vice do prefeito Sebastião Melo.

Prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo (centro) e o vice-prefeito, Ricardo Gomes (à dir.) durante coletiva de imprensa sobre o balanço da crise climática na cidade

De acordo com os dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pessoas ligadas à construtora Cyrela Goldsztein, da família de Claudio, foram as maiores financiadoras da campanha de Melo e Gomes em 2020. Foram R$ 200 mil repassados por integrantes da família e diretores da empresa à chapa vitoriosa.

Já sete pessoas da família Fração, do cofundador do ICF, Leonardo Fração, doaram R$ 44 mil para Melo e Gomes. Em 2016, duas pessoas do grupo familiar já haviam doado R$ 4 mil a Gomes.

Brasil Paralelo divulgou Pix de instituto de Goldsztein

No início do desastre que atinge o Rio Grande do Sul, o ICF passou a divulgar seu Pix para doações. Em 6 de maio, segunda-feira, quando a catástrofe já havia atingido enormes proporções, a organização publicou no X/Twitter que havia adquirido cem antenas da Starlink, internet por satélite da SpaceX, de Musk.

O vídeo, que soma 1,8 milhão de visualizações e 40 mil curtidas no Instagram, mostra as caixas das antenas sendo carregadas em uma aeronave da empresa Azul, e ao fundo há uma trilha sonora instrumental semelhante à de um filme de ação. Segundo o próprio instituto, as antenas seriam doadas a forças policiais gaúchas, com o objetivo de restabelecer a comunicação durante a tragédia.

Em uma live?feature=oembed" frameborder="0" allowfullscreen> no canal do YouTube da Brasil Paralelo ainda no dia 6 de maio, Goldsztein justificou que a compra das antenas para entidades policiais faz jus à missão do instituto. “Nossa prioridade é reconstruir delegacias e quarteis, o principal que estamos focando é a origem do instituto: segurança e educação. Porque, se não tivermos delegacias minimamente operacionais, com computadores, como faremos a prevenção do crime?”, afirmou durante a transmissão.

O apresentador da live na Brasil Paralelo, Lucas Ferrugem, recomendou doações para o ICF: “A recomendação que eu tenho feito é que cada um doe para aquilo que se identificar mais. Eu falo para amigos, faz um cheque maior pro Instituto Cultural Floresta, para eles poderem se estruturar, e depois você doa ‘pingado’ para várias pessoas físicas que estão nessa linha de frente de comprar comida”.

Goldsztein afirma que o ICF não está vinculado à Brasil Paralelo e que recebe ajuda e doações de pessoas e empresas de diferentes matizes ideológicos. “A minha parte para preservar a natureza, de não jogar papel na rua e não desperdiçar água, eu faço e ensino para os meus filhos. O ICF não entra nestas pautas, não temos competência para dizer se alguém poderia ter previsto ou não tomou medidas corretas. O que podemos fazer é mudar a realidade das pessoas afetadas”, afirmou.

O empresário disse que o ICF comprou cerca de 400 antenas da Starlink com recursos de doações, a partir da divulgação veiculada principalmente pela Brasil Paralelo e influencers de extrema direita. “Compramos as primeiras 10 ou 12 de forma avulsa, duas de um vendedor, quatro de outro, e, quando vimos, a população havia se engajado na campanha e conseguimos comprar um lote de 50 antenas. Entregamos quase 400 antenas, todas com doação via Pix”, comentou.

Segundo a Pública apurou, em junho de 2023, o ICF doou R$ 400 mil em equipamentos de informática ao Departamento Estadual de Investigações Criminais da Polícia Civil do Rio Grande do Sul. Em 17 de abril, o ICF fez a doação de 40 kits de coldre, capa colete, porta rádio e outros itens à Brigada Militar do Rio Grande do Sul.

Em 2023, ano marcado por numerosos ataques a escolas no Brasil, o ICF bancou uma iniciativa que visava à instalação de um sistema de botões de pânico em 98 escolas da rede municipal de ensino de Porto Alegre e nas 214 instituições parceiras da educação infantil, segundo o portal Terra. A empresa BeOn forneceu os equipamentos, que foram distribuídos pela prefeitura da capital gaúcha.

O negacionismo climático da Brasil Paralelo

“Eu gostaria de começar jogando a bola para o professor Felício: o que que é aquecimento global, professor?”. Assim começa um?feature=oembed" frameborder="0" allowfullscreen> vídeo chamado “O aquecimento global é uma farsa?” de quase duas horas da Brasil Paralelo, que, publicado em 30 de agosto de 2022, ultrapassa 1,4 milhões de visualizações e mais de 7.700 comentários no YouTube.

“Bom, vamos dizer assim, que foi uma ideia que quiseram criar dizendo que a temperatura do planeta média – que é uma abstração total […] fizeram uma associação de que um dos gases […] constituintes da atmosfera […], que é o CO2, ele a partir da sua proporção crescendo na atmosfera isso faria a temperatura do planeta aquecer. Isso não tem nenhuma evidência científica de que acontece”, desinforma o convidado, que arranca risos dos apresentadores da Brasil Paralelo.

Episódio “Aquecimento Global é uma farsa”, da Brasil Paralelo, com Ricardo Felício, demitido da USP

O convidado em questão, Ricardo Felício, era professor da Universidade de São Paulo (USP) até ser demitido em julho do ano passado, segundo reportagem do Globo, após um processo disciplinar motivado por faltas às aulas. Ele questiona o aquecimento global e consensos científicos como do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU (IPCC), que apontou que o aumento na temperatura do planeta era influenciado pela atividade humana. Em 2012, Felício foi entrevistado por 28 minutos no Programa do Jô, da Rede Globo, quando afirmou que o aquecimento global “é uma hipótese sem comprovações científicas”. Também é autor de um curso online chamado “A ‘mudança climática’: desconstruindo a hipótese”.

A Brasil Paralelo tem diversas produções que colocam em dúvida a existência do aquecimento global, minimizam o impacto do agronegócio no meio ambiente e criticam ambientalistas. Um dos documentários da produtora, “Cortina de fumaça”, de 2021, nega o crescente desmatamento no país durante o governo Jair Bolsonaro e aponta reivindicações de ONGs e indígenas como parte de uma conspiração global para frear o agronegócio brasileiro. O vídeo teve quase 2 milhões de visualizações em apenas três meses.

O documentário viola regras do próprio YouTube, que desde 2015 promete contribuir para o combate às mudanças climáticas evitando conteúdos desinformativos sobre o tema. Porém o filme segue disponível na plataforma e ajuda a ampliar o negacionismo sobre a emergência climática.

Uma pesquisa da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) demonstrou como esse documentário levava a recomendações de conteúdos ainda mais radicais no YouTube. Os pesquisadores alertam que, “no que diz respeito ao campo ambiental, a crença em teorias da conspiração ameaça os esforços mundiais para combater a crise climática”.

Os anos de 2023 e 2024 têm batido todos os recordes de temperatura dos oceanos. O ano passado fechou com o registro mais quente da história das medições, segundo dados da Organização Meteorológica Mundial (OMM) apresentados pelo Instituto Nacional de Meteorologia. Já abril de 2024 marcou o 11º mês em sequência com recordes de calor na Terra, de acordo com cientistas do observatório europeu Copernicus.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo