Política

Orlando Silva: Eleição em São Paulo vai pavimentar caminho para derrotar Bolsonaro em 2022

Oficializado como candidato a prefeito de São Paulo pelo PCdoB, ele diz que campo progressista estará unido no discurso contra o presidente

Orlando Silva diz que campo progressista estará unido contra o bolsonarismo. Foto: Reprodução Orlando Silva diz que campo progressista estará unido contra o bolsonarismo. Foto: Reprodução
Orlando Silva diz que campo progressista estará unido contra o bolsonarismo. Foto: Reprodução Orlando Silva diz que campo progressista estará unido contra o bolsonarismo. Foto: Reprodução

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) oficializou neste sábado 5 a candidatura do deputado federal Orlando Silva à prefeitura de São Paulo.

O anúncio ocorreu durante a convenção municipal do partido, transmitida pelas redes sociais.

A sigla lançou, também, 83 candidatos ao cargo de vereador, sendo 28 mulheres.  O nome do candidato a vice não foi oficialmente divulgado.

Em conversa com CartaCapital, logo após o evento, o candidato disse que a eleição na capital paulista pode ser um ensaio para derrotar o presidente Jair Bolsonaro em 2022. Na conversa, Silva também apontou que as candidaturas de Jilmar Tatto (PT) e de Guilherme Boulos (PSOL) estarão unidas com a dele mesmo sem uma frente ampla.

“Estaremos no mesmo campo para pavimentar o caminho para derrotar o bolsonarismo em 2022”, afirmou.

“A minha candidatura tem um caráter anti-Bolsonaro e eu sei que as candidaturas do Boulos e do Jilmar também têm. Isso nos faz compor um campo em defesa da democracia, dos direitos do povo e contra o desmonte realizado pelo presidente. É uma luta a favor do Brasil”, acresentou.

Leia os principais trechos da entrevista.

Novo ciclo político

Para Silva, a eleição de Bolsonaro em 2018 significou uma ruptura política com o que se consolidava desde a redemocratização do país.

“Aquele ciclo político iniciado com a redemocratização do país encerrou com a eleição de Jair Bolsonaro. É a hora de acreditarmos em alternativas novas e a hora de apresentar uma alternativa popular com espaço para mulheres e negros”, aponta.

“É preciso fazer política enfrentando problemas estruturais no país, como o racismo. O significado da nossa candidatura tem a ver com isso, com um novo ciclo político em que novos temas devem ser trazidos para a pauta”, completa.

Maior opositor

Na avaliação do comunista, o atual prefeito de São Paulo, Bruno Covas(PSDB), é o seu principal adversário junto com o governador do estado, João Doria (PSDB).

“O Doria-Covas não representou nada para a cidade. Não se conhece um programa, uma iniciativa, uma ação da prefeitura. O que mais se fala pelos tucanos é privatizar. Na prática, eles se aproximam da perspectiva do bolsonarismo”, critica.

“Eu diria que nosso esforço é desmascarar o governo do PSDB e ao mesmo tempo estabelecer uma alternativa, que incorpore a maioria da população”, afirma.

Frente ampla na esquerda

A união dos candidatos progressistas em São Paulo se dará no discurso e não em uma candidatura única, confirmou Silva.

Para chegar ao segundo turno, o deputado federal aposta na história de vida e experiência pública como diferenciais.

“O eleitor do Tatto e do Boulos merece o meu aplauso, pois são pessoas conscientes, mas eu tenho uma experiência de vida, que marcou a minha trajetória. Eu sou filho da periferia e conheço os problemas. Eu fui ministro de estado durante o governo do ex-presidente Lula e tenho experiência política da luta social e parlamentar”, declara.

Participação de Bolsonaro

O apoio do presidente, na visão de Silva, será um “peso” para o candidato que o tiver, pois “cresce a consciência de muita gente de que ele não tem nenhum tipo de responsabilidade com o País”.

Mesmo assim, em sua análise, “há candidatos de joelhos” para receber o apoio de Bolsonaro.

“Hoje, ainda não tem nenhum candidato exatamente identificado com Bolsonaro, mas há muita gente de joelhos para ele. Tem o Andrea Matarazzo [PSD] e para minha surpresa o Márcio França [PSB], em contradição com a sua própria bancada no Congresso Nacional, que é de oposição ao governo federal”, diz.

Planos para a cidade

Caso eleito, afirma Silva, a “obsessão será gerar emprego e garantir renda para o povo após a Covid-19”.

“A garantia de renda passa pela atitude prefeitura. Por exemplo, o prefeito tem que regulamentar o uso de aplicativos.  Todos conhecem alguém que trabalha em aplicativo, de transporte ou entrega. Tem que ter uma tarifa mínima que garanta dignidade para essas pessoas. Não é razoável um garoto trabalhar 16 horas por dia em uma bicicleta e receber um valor pequeno. Tem que ter uma tarifa mínima. A regulação da prefeitura pode gerar renda para os trabalhadores”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!