Oposição pede convocação de Moro para explicar torturas no Pará

Parlamentares argumentam que o ministro da Justiça desdenhou de ação do MPF sobre agressões em penitenciárias

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. (Foto: Isaac Amorim/MJSP)

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. (Foto: Isaac Amorim/MJSP)

Política

O líder da oposição na Câmara dos Deputados, Alessandro Molon (PSB-RJ), apresentou um requerimento nesta terça-feira 8 em que convoca o ministro da Justiça, Sérgio Moro, para esclarecer as torturas entre presidiários no estado do Pará. As agressões foram alvo de ação do Ministério Público Federal (MPF).

Molon assina o requerimento junto ao deputado federal Bira do Pindaré (PSB-MA). No texto, os parlamentares pedem que Moro compareça à Comissão de Direitos Humanos da Câmara. O pedido decorre de relatos divulgados pelo jornal O Globo que envolvem práticas como empalhamento e perfuração dos pés de presidiários com pregos.

“Apesar das graves denúncias, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, se manifestou de forma desrespeitosa e procurou desqualificar a investigação realizada pelo Ministério Público”, diz o documento. “Diante desta postura inaceitável para um ministro de estado da Justiça, faz-se necessário que o ministro venha à Casa do Povo para se explicar sobre quais providências estão sendo tomadas para averiguar estas denúncias e sanar imediatamente qualquer ato de tortura cometido pelo estado brasileiro.”

Molon também foi às redes sociais para condenar a resposta de Moro aos casos investigados pelo MP.

“É muito grave que o ministro da Justiça confunda disciplina com tortura! Ele trata a ação do Ministério Público Federal com desdém. Queremos que o ministro preste esclarecimentos à Câmara sobre os casos de tortura denunciados em presídios do Pará”, publicou.

Em entrevista à TV Globo, Moro questionou a ação da Justiça Federal do Pará, que acatou, em 2 de outubro, o pedido de 17 procuradores para afastar o agente penitenciário Maycon Cesar Rottava do cargo de coordenador da força-tarefa do estado.

“Durante muito tempo, no Brasil inteiro, acostumou-se com uma situação de quase caos nos presídios. E sempre quando há uma ação mais enérgica do estado, há, naturalmente, reclamação dos presos”, disse o ministro.

Também questionado, nesta terça, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) chamou de “besteira” a denúncia do MPF sobre os casos de tortura nas penitenciárias paraenses.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem